Minicontos-JoaoBatistadosSantos

17/10/2013 - A Viúva

Os soluços da viúva, às vezes, pareciam gargalhadas.

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Sonho de Metal

Amava tanto aquela moto que, certa noite, não resistindo mais, transou com ela.
- Gostou? - ele ainda perguntou, distraidamente, fumando um cigarro e bebendo uma dose de uísque.

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Tédio

- Vamos fazer diferente hoje, santinha.
- Vai traçar o meu umbiguinho, querido?
- Não, já usei ele cem vezes.
- Vai usar o meu narizinho?
- Já usei duzentas vezes.
- Minhas orelhinhas?
- Mil vezes... cada uma.
- Meus olhinhos, amor?
- Um milhão de vezes.
- Nossa, tudo isso? O que você quer então? Vai usar o seu dedão do pé?
- Não, vou fazer um negócio bem diferente.
- O quê?
- Espera aí que o purgante já está começando a fazer efeito...

- O quê?! Benza-o, Deus! Ai de mim, assim você me mata, bandido...

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - O Tarado do Mercado

Ele ficou doidinho ao ver a mulher, de minissaia, encurvada, escolhendo tomates no mercado, e, grudou nela.
Um enxame de pessoas foi acudir com vassouradas, chineladas, espanadoradas, melanciadas, mas ele grunhia, babando:
- Enquanto eu não gozar eu não largo...

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - (Des)Ventura

Nasceu.

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - A Penitência

Um religioso, que havia feito voto de castidade, foi flagrado transando com uma das suas seguidoras. Quando foi pego, de novo, copulando com outra, escondido dentro de uma caçamba, falou muito sério:
- É penitência, pessoal. Pensam que transar aqui no meio desse fedor é mole?

 

(Registrado na BN)

Comentários (1) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Folia Social

Lá de vez em quando ele bebia todas, e, se livrava da maldita fobia social, e, aí, quase todas as mulheres do forró arrancavam alguma coisa do esquisitão, que, sóbrio, nunca falava com ninguém. Ele saía de lá só de cueca. Até algum pivô caindo aos pedaços elas aceitavam  em troca de alguma transa ou até de alguns minutos de conversa fiada...
- Errei, sim, manchei o seu nome... - ele saía de lá cantando e correndo atrás de algum táxi, e, já sentindo a dor das pancadas da jabiraca, que levaria em casa.
- Estava no forró, né, ordinário? - ela gritaria, dando um pescoção nele.
- Não estava, não, bem.
- Estava, sim, e ainda foi com a cueca que eu  te dei de aniversário! - ela urraria de novo dando-lhe um tapa na cara.
- Perdão, bem.
- Perdão coisa nenhuma, cafajeste! - e tome mais tapas, e tome mais coices, e tome mais pisões no pé...

- Não, bem.
E, pá, na cara, de novo.
- Eu não faço mais, bem.
E, tum, soco no estômago.
- Eu ainda te maaaaato, bandido!

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - O Assalto

Depois de correr mais de um quarteirão do assaltante, o velho resolveu enfrentá-lo, era apenas um rapaz, não devia ter nem dezoito anos:
- O que você quer, dinheiro?
O assaltante abaixou o boné pra cobrir o rosto:
- Claro, cara, o que mais podia ser?
O velho era nervoso, mas naquela hora ficou calmo de tudo, na certa pela intervenção do Senhor:
- Ah, por que você não me pediu? Eu dava tudo o que eu tenho na carteira pra você, com todo prazer.
O rapaz se espantou:
- Sério?
O assaltado segurou sua bíblia contra o peito como se fosse um escudo:
- Serio. Eu acredito totalmente em Deus e sigo sempre, ao pé da letra,  aquele mandamento dele: ame o próximo como a você mesmo. Taqui minha carteira, pode levar todo o dinheiro...
O assaltante pareceu comovido:
- Puxa vida, você é um cara bom mesmo. - leu o nome dele na carteira de identidade - Mateus.
O Mateus relaxou, na certa sairia vivo daquela, com a ajuda de Deus:
- Eu tento ser.
O rapaz abraçou-o:
- E você acredita em Deus mesmo? De todo o coração?
O velho se sentiu mais seguro ainda, talvez até conseguisse levar o bandido pra sua igreja, pra ganhar uma comissão do pastor:
- Acredito.
O assaltante apontou a faca pro fígado dele:
- Então eu acho que o seu lugar não é aqui na Terra mesmo, irmão, é junto do Senhor. Obrigado pela grana e... vai pro seu Deus, mano, vai.
Saiu de lá apressado, mas, resmungando:
- Filho da puta de velho, só tinha grana que dá pra tomar umas dez pingas. Eu devia ter esfaqueado o saco dele. Perdão, meu Deus, mas eu acho que ele tinha escondido o dinheiro grosso no sapato. Amanhã vou pôr algum dinheirinho em alguma igreja, pra ser perdoado dessa...
Fez várias vezes o sinal da cruz e foi pro boteco mais próximo.

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - O Suicida

Deprimido, ele desabafava com um amigo, no boteco:
- Eu não aguento mais, cara. Não sei por que aquela desgraça não quer mais nada comigo. Ela não quer mais dar pra mim nem a pau. Ela deve ter um amante. De vez em quando eu vou atender o telefone e ninguém fala nada, só pode ser o amante dela. Acho que eu vou me matar. Vou cortar a garganta com uma faca...
E o amigo, o abraça, compreensivo, e o aconselha:
- Mas corta a garganta em cima da pia, em cima da privada, sentado numa bacia, ou em cima de um monte de jornal senão a sua patroa pode ficar braba porque você sujou todo o assoalho de sangue, viu? Ela tem mania de limpeza, você sabe...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - O Serial Killer

O poeta, cansado de ser chamado de bobo e de boilola, porque escrevia versos, resolveu matar. Primeiro matou uma formiga, depois, um mosquito, depois, um pardal, depois, um porco...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - O Falo de Ouro

- Não dá, bem. Desse jeito você não vai conseguir nem a pau.
- Traz a super camisinha.
- Que super camisinha? Ah, aquele pedaço cano amarelo? Se doer muto você vai ter que pagar em triplo, hein?

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Genuflexório

- Não. Você disse que só ia rezar aqui comigo, sem essa de querer usar esta cruz de ferro em mim...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Navalha na Língua

- Conseguiu?
- Ainda não. Vamos assistir àquele dvd do Dracula que eu consigo...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - A Curra

Num cortiço, lá pelas duas horas da manhã, ele ataca de novo:
- Ai, pelo amor de Deus, não faz isso, moço.
- Vou fazer, sim. Você é boa demais, eu não aguento.
- Eu chamo a polícia, hein?
- Não faz isso... vai ser rápido.
- Ah, desgraçado, ordinário, bandido!
- Olha que você pode até gostar. Você me parece quarentona. Alguém ainda te quer?
- Eu, gostar de um traste que nem você?
- Teve uma que adorou.
- Polícia, políííííí... O que foi?
- Ih, parece que não vai dar. Você está com sorte, está salva, dona. Está muito seca a sua.... Até um outro dia.
- Ara, dá, sim. Ô, Maria, ô, Odete, ô, Vera, me tragam uma lata de azeite aqui...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Balada Para Satã

Ele era extremamente feio, mas se caracterizava tão bem, seus chifres, sua cauda e o seu tridente, pareciam tão reais que ele nunca precisou pagar mulher nenhuma, umas não cobravam por horror, outras, por deleite. (Muitas até pagavam pro feio.) Mas quase todas exigiam, pelo menos, que um pouco de sangue saísse de algum orifício delas...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Catalepsia

Todas as noites ele assassinava a esperança, mas, de manhã, a maldita ressuscitava...

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Frenesi

- Vamos lá?
- Mas... aqui, perto do lixão?
- É, ué, estou enjoada desses motéis caros, bonitos, limpos e perfumados onde a gente vai sempre, quero variar. Estou entediada.
- Você tem cada uma...
- Vamos, vamos! Estou quase tendo um orgasmo de ver aqueles mendigos procurando comida no lixo. E aquele outro lá parece que vai desmaiar de fome. Vem, meu grande, vem, estou a ponto de bala!
- Você ficou excitada de ver essa gente miserável procurando o que comer no lixão?! Não é a toa que você é filha de político...
- Manda brasa logo, rapaz, senão você não ganha o cargo no gabinete do meu pai, hein?

 

(Registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Aventura

Foi se submeter a uma cirurgia pelo S.U.S.

 

(Texto registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Bodas de Prata

Ela:
- Não sei se eu compro um caixão de pinho ou um de metal... Melhor de metal... E a sepultura? Melhor mandar fazer um jazigo, só pra nós... E quem eu convido pro velório, além dos meus irmãos? A Margô, o Antônio, a Isabel? É... Eles são os nossos melhores amigos... Quando foi que o médico disse que o seu câncer vai te derrubar mesmo, bem?
Ele, se contorcendo de dor, na cama:
- Me deixa morrer em paz, velha filha da puta...

 

(Texto registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

17/10/2013 - Aracnofobia

Outra crise de delirium tremens estava chegando, entre lágrimas e risos, deliciado, ele rogou a Deus ou a satã que seu corpo se cobrisse de aranhas, enormes, peludas e nojentas: a aracnofobia era a sua fobia favorita.

 

(Texto registrado na BN)

Comentários (0) :: Postar um comentário! :: Permalink

<- Última Página :: Próxima Página ->

Sobre Mim



«  March 2017  »
MonTueWedThuFriSatSun
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031 

Últimos Posts

A Viúva
Sonho de Metal
Tédio
O Tarado do Mercado
(Des)Ventura

Links

Home
Perfil
Arquivos
Amigos
Email

Amigos