Contador de Visitas
Palmeiras - 100 anos - 100 ídolos


Palmeiras - 100 anos - 100 ídolos

Home - Perfil - Arquivos - Amigos

Geraldo Scotto

Postado em 10/9/2013 em 12:00 AM - 0 Comentários - Link

 

Geraldo Scotto

 

Geraldo Scotto - São Paulo - SP - 11 de Setembro de 1934 - 27 de Julho de 2011.

 

Considerado um dos melhores laterais-esquerdos da história do Palmeiras, chegou ao Palmeiras em 1958, vindo do Santos. Foi um lateral à frente de seu tempo, pela capacidade que tinha em marcar com eficiência e ao mesmo tempo apoiar o ataque com inteligência, numa época em que os laterais não costumavam desempenhar um papel ofensivo.

O próprio Garrincha o considerava um de seus melhores e mais leais marcadores, quando travaram grandes duelos na década de 60. 

Jogou duas partidas pela Seleção Brasileira, e no Palmeiras jogou de 1958 a 1967, totalizando 352 jogos e marcou 3 gols. Sua coleção de títulos é composta por: Campeonato Paulista de 1959, 1963 e 1966; Taça Brasil de 1960 e 1967; Torneio Rio – São Paulo de 1965 e Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967.

 

 


Nei - Ponta-Esquerda

Postado em 8/9/2013 em 05:38 PM - 0 Comentários - Link

 

Nei

 

 Elias Ferreira Sobrinho - Nova Europa - SP - 15 de Agosto de 1949.

 

Revelado pela Ferroviária de Araraquara, Nei chegou ao Palmeiras em 1972 para entrar para história como um dos maiores ponta-esquerdas do Verdão. Veloz e exímio driblador, deu muitos passes para seus companheiros marcarem gols, além de deixar seus adversários um tanto quanto estressados, como os laterais Zé Maria ex-Corinthians e principalmente o botinudo Forlan ex-São Paulo.

Foi convocado para a Seleção Brasileira em 1974 pelo técnico Zagallo e em 1976 por Osvaldo Brandão porém, atuou em apenas 2 partidas vestindo a camisa amarela. No Palmeiras, Nei atuou de 1972 a 1980, num total de 488 jogos quando marcou 71 gols. Ganhou os títulos do Troféu Ramon de Carranza em 1974 e 1975, Campeonato Paulista em 1972, 1974 e 1976, além dos Campeonatos Brasileiros de 1972 e 1973.

 

 


Romeu Pellicciari - Meia-Direita

Postado em 7/9/2013 em 10:47 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Romeu Pellicciari

 

Romeu Pellicciari - Jundiaí - SP - 26 de Março de 1911 - 15 de Julho de 1971.

 

Considerado por muitos o melhor jogador da história do Palmeiras até o surgimento de Ademir da Guia, era chamado de "Príncipe" pela torcida. Chegou ao Palestra em 1929, e apesar da tendência para engordar, logo mostrou seu talento genial não apenas para fazer gols, como também para deixar os companheiros "na cara do gol" com seus perfeitos lançamentos.

Habilidoso e inteligente, sua maior partida pelo Palestra foi na histórica goleada sobre o Corinthians por 8x0 no dia 5 de Novembro de 1933, quando marcou quatro gols. Aliás, marcar gols no rival era sua especialidade, marcou 14 vezes em 15 jogos.

Em 1935, transferiu-se para o Fluminense, quando disputou a Copa do Mundo de 1938. Retornou para o Palmeiras em 1942, e se tornou Campeão Paulista no ano da mudança de nome.

Na Seleção Brasileira, Romeu atuou em 13 partidas e marcou 3 gols. No Palmeiras, jogou entre 1930 e 1935, em 1937 e 1942, num total de 150 jogos e assinalou 106 gols. Foi Campeão do Torneio Rio-São Paulo em 1933 e Campeão Paulista em 1932, 1933, 1934 e 1942.

 

 


Marcos Assunção - Volante

Postado em 6/9/2013 em 08:28 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Marcos Assunção 

 

 Marcos dos Santos Assunção - Caieiras - SP - 25 de julho de 1976.

 

Revelado pelo Rio Branco-SP, Assunção despontou jogando pelo Santos, em 1999 foi contratado pela Roma e depois de 10 anos atuando pela Europa e Emirados Árabes, retornou ao Brasil discretamente e foi jogar no Grêmio Barueri. Seu excelente desempenho, chamou a atenção do Palmeiras que o contratou no ano seguinte, para se tornar líder do grupo campeão da Copa do Brasil de 2012.

Mesmo já com 34 anos, sua passagem no Palmeiras foi marcante por ser um líder dentro e fora do campo, e principalmente pelo seu raro talento nas cobranças de faltas. Figura base do time formado pelo técnico Felipão, suas assistências nas bolas paradas e gols marcados nas cobranças de faltas, foram imprescindíveis na conquista da Copa do Brasil, quando foi eleito pela CBF, o melhor jogador do campeonato.

Atuou 11 vezes pela Seleção Brasileira e marcou 1 gol. No Palmeiras, Assunção atuou em 145 jogos e fez 31 gols. Considerado um dos melhores cobradores de falta da história do Palmeiras, Assunção saiu do Palmeiras no final de 2012, após uma desavença com o presidente Arnaldo Tirone na renovação de contrato. Mesmo saindo de maneira pouco amistosa, Assunção afirma ter se tornado palmeirense devido sua afinidade com o clube e a torcida palmeirense.

 

 


Roberto Carlos - Lateral-Esquerdo

Postado em 5/9/2013 em 11:12 PM - 0 Comentários - Link

 

Roberto Carlos

 

 Roberto Carlos da Silva - Garça - SP - 10 de abril de 1973.

 

Chegou ao Palmeiras em 1993, vindo do União São João de Araras, como uma jovem promessa e se consagrou como um dos maiores laterais da história do futebol brasileiro.

Dono de muito vigor físico, um chute potentíssimo de esquerda e uma boa técnica, Roberto Carlos chegou ao Palmeiras e logo se firmou como titular, ajudando a conquistar títulos. Atuou no Palmeiras entre 1993 e 1996, tempo suficiente para ser considerado por muitos, o melhor lateral-esquerdo da história palmeirense.

Na seleção brasileira, Roberto Carlos tem um curriculo invejável, com 3 Copas do Mundo, num total de 125 jogos e 11 gols marcados.

No Palmeiras, atuou em 185 partidas, marcando 17 gols. Conquistou os títulos de Campeão Paulista em 93 e 94; do Rio-São Paulo em 93 e Campeão Brasileiro de 93 e 94.

Jogou em grandes times da Europa como Internacional de Milão e Real Madrid. Atualmente treina o Anzhi Makhachkala da Rússia.

 

 


Tupãzinho - Meia-Esquerda

Postado em 4/9/2013 em 10:42 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Tupãzinho

 

 José Hernani da Rosa - Bagé - RS - 26 de outubro de 1939 - 17 de fevereiro de 1986.

 

Filho de Tupã, ídolo do Internacional nos anos 30, Tupãzinho chegou ao Palmeiras em 1963, comprado por 30 milhões de cruzeiros junto ao Guarany de Bagé. Com um futebol clássico e raçudo, se tornou um dos maiores artilheiros do Palmeiras.

Um de seus jogos inesquecíveis, foi a vitória por 2 x 0 contra o Corinthians no dia 19 de novembro de 1967, válido pelo Campeonato Paulista, onde marcou os 2 gols da vitória em cobranças de falta.

Jogou no Palmeiras até 1968, quando foi trocado pelo lateral-esquerdo Zeca. Nestes 6 anos, atuou em 231 jogos e marcou 122 gols. Conquistou os títulos de Campeão Paulista de 63 e 66; Rio-São Paulo de 65; Taça Brasil de 67 e Roberto Gomes Pedrosa de 67.

Tupãzinho foi o principal jogador do Palmeiras no vice-campeonato da Libertadores de 1968, onde chegou a ser o artilheiro da competição. Faleceu com apenas 45 anos, quando trabalhava em um salão de carteado.

 

 


Valdir de Moraes - Goleiro

Postado em 3/9/2013 em 11:42 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Valdir

 

Valdir Joaquim de Moraes - Porto Alegre - RS - 23 de novembro de 1931.  

 

Chegou ao Palmeiras, vindo do extinto Renner, em 1958. Com apenas 1,70 m de altura, Valdir tinha muita impulsão e elasticidade, além de boa colocação e ótima reposição de bola. O que fez dele um dos maiores goleiros da história palmeirense ao lado de Oberdan, Leão e Marcos.

Na inauguração do Mineirão, quando o Palmeiras representou o Brasil e venceu o Uruguai por 3 x 0, Valdir foi um dos destaques do jogo. Na Seleção Brasileira, jogou apenas 5 partidas.

Valdir foi goleiro do Palmeiras por 10 anos, de 1958 a 1968, num total de 482 jogos, sofrendo 538 gols. Após encerrar a carreira, foi pioneiro na função de preparador de goleiros e ajudou a formar os goleiros Leão, Zétti e Velloso.

Foi também preparador de goleiros da Seleção Brasileira, fazendo parte da comissão técnica da Copa de 82. No Palmeiras atuou durante muito tempo como preparador de goleiros, auxiliar técnico e coodenador técnico.

 

 


Arce - Lateral-Direito

Postado em 2/9/2013 em 07:22 PM - 0 Comentários - Link

 

Arce

 

 Francisco Javier Arce Rolón - Paraguari - Paraguai - 02 de abril de 1971.

 

Começou sua carreira no Cerro Porteño de Assunção depois foi para o Grêmio onde conquistou títulos com o treinador Felipão que pediu sua contratação quando chegou ao Palmeiras. 

Lateral-direito com cruzamentos certeiros para a área, além de grande cobrador de falta, Arce fez história no Palmeiras durante os 4 anos em que vestiu a camisa esmeraldina. Entre os anos de 1998 a 2002.

Pela Seleção Paraguaia, jogou as Olimpíadas de 82 em Barcelona e as Copas de 98 e 2002, totalizando 61 partidas e marcando 5 gols. Tornou-se um dos grandes ídolos paraguaios ao lado de Chilavert e Gamarra.

No Palmeiras, Arce atuou em 242 jogos e marcou 57 gols. Conquistou os títulos do Rio-São Paulo em 2000; Copa dos Campeões em 2000; Copa do Brasil 98; Mercosul de 98 e Libertadores de 99.

Após encerrar a carreira, tornou-se treinador de futebol no Paraguai.

 

 


Pires

Postado em 1/9/2013 em 11:13 PM - 0 Comentários - Link

 

Pires

 

 José Sebastião Pires Neto - Sorocaba - SP - 23 de fevereiro de 1956.

 

 

Indicado por Luis Pereira que o viu jogar no São Bento, Pires chegou ao Palmeiras com apenas 17 anos em 1973 e em 1976, assumiu a posição do consagrado Dudu, que tinha encerrado a carreira e era o atual treinador do Palmeiras.

Logo em sua estréia no empate por 2 x 2 com o Guarani, já mostrou qualidades, inclusive marcando 1 gol. A partir daí, Pires se firmou na equipe e formou um grande meio de campo com Ademir da Guia e Jorge Mendonça, conquistando o título do Campeonato Paulista daquele ano.

Atuou profissionalmente no Palmeiras de 1976 até 1981, totalizando 295 jogos pelo Palmeiras e marcou 8 gols. Em 1979, foi eleito o melhor volante do Campeonato Brasileiro. Chegou a disputar 2 partidas pela Seleção Brasileira, mas nesta época já atuava pelo Vasco.

No Palmeiras, apesar de ter feito grandes campanhas como o vice-campeonato Brasileiro de 1978 e chegar às semi-finais em 1979, Pires conquistou apenas o título de Campeão Paulista em 1976.

 

 


Bianco

Postado em 31/8/2013 em 05:43 PM - 0 Comentários - Link

 

Bianco

 

 Bianco Spartaco Gambini - São Paulo - SP - 17 de julho de 1893  -  18 de agosto de 1966.

 

Autor do primeiro gol da história do Palestra Itália na vitória por 2 x 0 contra o Votorantim no dia 24 de janeiro de 1925, Bianco foi o primeiro ídolo palestrino.

Zagueiro habilidoso e com espírito de liderança, foi o primeiro capitão da equipe onde jogou por 14 anos. Atuou em 284 jogos e marcou 16 gols vestindo a camisa do Palestra Itália. Na Seleção Brasileira, Bianco foi eleito o melhor jogador do Campeonato Sul-Americano de 1919, o primeiro título do Brasil, no time que tinha jogadores como Friedenreich, Heitor, também do Palestra Itália e Neco do Corinthians.

Pelo Palestra Itália foi campeão do Rio-São Paulo em 1923 e 1926 e do Campeonato Paulista em 1920, 1926 e 1927, além de outros títulos expressivos na época. Ao encerrar a carreira, tornou-se técnico e dirigiu a equipe em 1931 e 1944 quando foi Campeão Paulista.

 

 


Vágner Bacharel

Postado em 30/8/2013 em 07:34 PM - 0 Comentários - Link

 

 

 

Vágner Bacharel

 

 Vágner Araújo Antunes - Rio de Janeiro - RJ - 11 de dezembro de 1954 - 20 de abril de 1990.

 

Ganhou o apelido de "Bacharel" devido a sua fácil oratória, chegou ao Palmeiras em 1983 vindo do Joinville já com 29 anos para compor o elenco que estava sendo montado com grandes nomes como Luis Pereira, Batista, Cléo, Nenê Santana, Enéas e Perivaldo. Logo se destacou e ganhou um lugar no time na lateral-direita, onde chegou a marcar 3 gols em uma partida na goleada de 6 x 0 sobre o Tiradentes de Piauí.

Pouco depois, formou uma inesquecível dupla de zaga ao lado de Luis Pereira, quando muitos pediam suas convocações para a Seleção Brasileira na Copa América de 83. Zagueiro técnico, raçudo e de liderança, também era perigoso no ataque, principalmente nos escanteios cobrados por Jorginho e Éder.

Não conseguiu ganhar nenhum título jogando pelo Palmeiras, mas permanece na galeria de grandes ídolos imortais do clube. Atuou entre 1983 e 1987, num total de 260 jogos e marcou 22 gols.

Em 1990, quando atuava pelo Paraná, chocou-se de cabeça com um jogador do Toledo e imediatamente entrou em coma, estado em que permaneceu por três dias. Recuperado, teve alta mas, dias depois, voltou a sentir fortes dores de cabeça e acabou falecendo no dia 20 de abril de 1990, com apenas 35 anos.

 

 


César

Postado em 29/8/2013 em 12:45 PM - 0 Comentários - Link

 

César

 

 César Augusto da Silva Lemos - Niterói - RJ - 17 de maio de 1945.

 

Centroavante explosivo e irreverente, ganhou o apelido de "maluco" do narrador Geraldo José de Almeida devido suas entusiasmadas comemorações de gol em direção à torcida, muitas vezes subindo nos alambrados.

Chegou ao Palmeiras em 1967, trocado por Ademar Pantera que foi para o Flamengo. Jogou em vários clubes mas foi no Verdão que César se identificou e se tornou  um fanático torcedor. "Eu sou Palmeiras, eu sou torcedor antes de ser jogador". Atacante oportunista e de boa técnica, aliada ao estilo raçudo, César é o segundo artilheiro da história palmeirense, marcando 180 gols.

Formou um dupla inesquecível com Leivinha, conquistando títulos e chegando à Seleção Brasileira, onde fez parte do grupo que disputou a Copa de 1974 na Alemanha, porém não teve chance de jogar. Jogou apenas 13 partidas com a camisa canarinho e marcou 1 gol.

Pelo Palmeiras, jogou 324 partidas entre 1967 e 1974 e conquistou os títulos de Campeão Paulista de 72 e 74, Taça Basil de 67, Roberto Gomes Pedrosa de 67 e 69 e Bi-campeão Brasileiro de 72 e 73. Hoje César é conselheiro do Palmeiras e figura frequente no clube que eternamente conquistou seu coração.

 

 


Cléber

Postado em 28/8/2013 em 09:14 PM - 0 Comentários - Link

 

Cléber

 

Cléber Américo da Conceição - Belo Horizonte - MG - 26 de julho de 1969.

 

Zagueiro forte de grande vigor físico, Cléber também era técnico e sabia sair jogando, além de fazer gols. Chegou ao Palmeiras em 1993 vindo do Logroñes da Espanha, e formou com Antonio Carlos uma dupla de zaga de alto nível que conquistou vários títulos. Cléber é um dos maiores colecionadores de títulos do Palmeiras, uma vez que fez parte de grandes esquadrões da década de 90.

Entre tantas partidas marcantes, a que se destaca é a goleada aplicada sobre o Santos na Vila Belmiro por 6 x 0 no Campeonato Paulista de 1996, quando ele marcou 2 gols seguidos em uma de suas melhores atuações.

Na Seleção Brasileiro, atuou em 15 partidas e só não jogou a Copa de 94, porque quando Ricardo Gomes foi cortado o Palmeiras fazia uma excursão na Rússia e a CBF não conseguiu entrar em contato com ele, convocando o zagueiro Ronaldão do São Paulo em seu lugar.

No Palmeiras, Cléber disputou 372 jogos e marcou 21 gols. Foi campeão Paulista em 94 e 96; da Copa do Brasil em 1998; da Mercosul em 1998, Campeão Brasileiro em 93 e 94 e da Libertadores em 99.

 

 


Jair Rosa Pinto

Postado em 28/8/2013 em 02:06 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Jair  Rosa Pinto

 

 Jair Rosa Pinto - Quatis - RJ - 21 de março de 1921 - 28 de julho de 2005.

 

Chegou ao Palmeiras em 1949 vindo do Flamengo e foi recebido com festa pela torcida palmeirense. Meia-esquerda de lançamentos precisos e chute potente de esquerda, Jair foi um dos principais jogadores da Seleção Brasileira vice-campeã da Copa de 1950.

No Palmeiras, sua partida mais marcante foi a final do Campeonato Paulista de 1950, quando no intervalo do jogo, pediu raça ao time e na volta ao campo foi responsável pela assistência no gol de empate marcado por Aquiles, que confirmou o título palmeirense.

Na Seleção Brasileira, Jair atuou em 41 partidas e assinalou 23 gols. No Palmeiras, jogou entre 1949 e 1955, num total de 241 jogos e 71 gols. Ganhou os títulos Paulista de 1950 e a célebre Copa Rio de 1951.

Saiu do Palmeiras e foi jogar no Santos, onde ensinou posicionamento e chute ao gol para o menino Pelé. Faleceu aos 84 anos, vítima de embolia pulmonar.

 

 


Servilio

Postado em 27/8/2013 em 01:30 PM - 0 Comentários - Link

 

Servílio

 

Servílio de Jesus Filho - São Paulo - SP - 15 de novembro de 1939 - 07 de junho de 2005.

 

Filho de Servílio, ídolo corintiano, chegou ao Palmeiras vindo da Portuguesa em 1963. Meia-direita grandalhão e bastante técnico, além de excelente cabeceador, fez parte da primeira Academia do Palmeiras e se tornou um dos maiores artilheiros da história palmeirense.

Sua melhor fase foi no ano de 1966 onde uma contusão no joelho o afastou da Copa do Mundo da Inglaterra. Jogou 10 partidas na Seleção Brasileira e marcou 6 gols.

No Palmeiras, jogou entre 1963 e 1968, num total de 289 jogos e marcou 140 gols. Conquistou os títulos de Campeão Paulista em 1963 e 1966; do Rio-São Paulo em 1965; da Taça Brasil em 1967 e do Roberto Gomes Pedrosa em 1967.

Servílio faleceu aos 65 anos, vítima de enfarto fulminante.

 

 


Mazinho

Postado em 26/8/2013 em 11:34 PM - 0 Comentários - Link

 

Mazinho

 

Iomar do Nascimento - Santa Rita - PB - 8 de abril de 1966.

 

Começou sua carreira jogando no Vasco da Gama na posição de lateral-direito, e chegou à Seleção Brasileira que venceu a Copa América de 1989. Na Copa de 1990, o então treinador Sebastião Lazaroni o deixou injustamente no banco de reservas.

Após passar com sucesso pela Europa, Mazinho chegou ao Palmeiras em 1992, e jogando na lateral direita foi campeão Paulista em 1993. Mas foi jogando como segundo volante ao lado de César Sampaio que seu futebol brilhou e voltou à Seleção Brasileira em 1994, ganhando a posição de Raí durante a competição.

No Palmeiras Mazinho atuou em 127 partidas entre 1992 e 1994, onde se destaca sua brilhante atuação contra o Boca Juniors na goleada de 6 x 1 pela Libertadores da América. Marcou apenas 2 gols jogando pelo Palmeiras porém foi especialistas em assistências que resultaram em gols importantes para as conquistas dos Paulistas de 1993 e 1994, do Rio-São Paulo de 1993 e do Campeonato Brasileiro de 1993.

Na Seleção Brasileira, Mazinho atuou em 35 partidas, incluindo as 2 Copas do Mundo. 

 

 


Djalma Dias

Postado em 26/8/2013 em 07:43 PM - 0 Comentários - Link

 

Djalma Dias

 

 Djalma Pereira Dias Junior - Rio de Janeiro - 21 de agosto de 1939 - 01 de maio de 1980.

 

Zagueiro técnico e elegante, recebeu o apelido de "bailarino da bola". Titular da Academia dos anos 60, formou com Minuca uma zaga inesquecível que quebrou a hegemonia do Santos de Pelé nos campeonatos Paulistas de 1963 e 1966.

Chegou ao Palmeiras vindo do América - RJ em 1963 e logo se tornou ídolo da torcida. Jogou até o final de 1966, quando brigou com a diretoria e ficou 1 ano sem jogar, voltando a atuar no Santos onde foi campeão Paulista de 1969.

Na Seleção Brasileira, Djalma Dias quase chegou a disputar as Copas de 66 na Inglaterra e de 70 no México, mas infelizmente, ficou no quase. Porém, em suas 17 participações com a camisa amarelinha, Djalma jamais perdeu uma partida.

No Palmeiras, Djalma Dias disputou 239 jogos e marcou 2 gols. Foi Campeão Paulista em 1963 e 1966 e do Rio-São Paulo em 1965. Faleceu aos 50 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória, antes de poder ver seu filho Djalminha vestir a camisa da Seleção e do Palmeiras.

 

 


Og Moreira

Postado em 26/8/2013 em 12:27 AM - 0 Comentários - Link

 

 

Og Moreira

 

 Og Moreira - Nova Friburgo - RJ - 22 de outubro de 1917 - Feleceu em 1985.

 

Og Moreira foi o primeiro negro a vestir a camisa do Palestra Itália no dia 4 de março de 1942. Centro-médio de classe, foi apelidado pela torcida de "Toscanini" em homenagem ao maestro italiano Arturo Toscanini, pelo talento demonstrado com a bola nos pés.

Og Moreira foi um dos protagonistas na conquista do título Paulista de 1942, na vitória sobre o São Paulo por 3 x 1, ao assistir Echevarrietta no primeiro gol e ao sofrer o penalti cometido por Virgílio que fez os são paulinos abadonarem o gramado.

 Jamais defendeu a seleção, embora fosse considerado merecedor desde a quando atuava pelo América do Rio de Janeiro. No Palmeiras ele atuou até 1949, totalizando 198 jogos e marcando 27 gols. Foi campeão Paulista em 1942, 1944 e 1947.

 

 


Dudu

Postado em 25/8/2013 em 05:53 PM - 0 Comentários - Link

 

Dudu

 

 Olegário Tolói de Oliveira - Araraquara - SP - 7 de novembro de 1939.

 

Apelidado de Dudu por seu avô ainda na infãncia, iniciou sua carreira na Ferroviária, e aos 24 anos chegou ao Palmeiras no dia 31 de março de 1964. Logo formou a inesquecível dupla com Ademir na Guia no meio de campo palmeirense. Eles se completavam perfeitamente e isto rendeu vitórias e títulos ao Palmeiras. Dos 609 jogos que disputou pelo Palmeiras, 519 foram ao lado do grande parceiro, conquistando 294 vitórias, perdendo apenas 88.

Grande marcador e com boa qualidade na posse de bola, além de líder dentro de campo, Dudu é considerado um dos maiores volantes volantes da história palestrina. Na Seleção Brasileira, atuou em 13 partidas e chegou a marcar 1 gol.

Dudu também foi símbolo de raça no time palmeirense, exemplo disto foi na decisão do Paulista de 1974, quando foi vítima de uma potente bolada chutada por Rivellino em uma cobrança de falta, Dudu chegou a desmaiar saindo de campo, mas logo depois estava de volta para ajudar o time a conquistar mais um título em cima dos velhos rivais.

Em suas 609 partidas pelos Palmeiras, marcou 25 gols e foi campeão Paulista em 1966, 72 e 74; do Rio-São Paulo em 1965; da Taça Brasil em 1967; do Roberto Gomes Pedrosa em 67 e 69 e Campeão Brasileiro em 1972 e 73. Ao encerrar a carreira em 1976, assumiu o cargo de treinador e foi campeão Paulista de 1976.

 

 


Zinho

Postado em 23/8/2013 em 04:05 PM - 0 Comentários - Link

 

 

Zinho

 

Crizam César de Oliveira Filho - Nova Iguaçu - RJ - 17 de junho de 1967. 

 

Chegou ao Palmeiras em 1992, já consagrado e bi-campeão brasileiro pelo Flamengo. No mesmo ano, foi vice-campeão paulista em um time que já contava com a "Santíssima Trindade" formada por ele, César Sampaio e Evair, que seria o esteio da equipe multi-campeã em 1993 e 1994, além da Libertadores de 1999.

Na Seleção Brasileira, Zinho disputou 57 partidas e marcou 7 gols, tornado-se Campeão Mundial na Copa de 1994, onde, prejudicado pelo esquema tático ultra-defensivo do treinador Parreira, foi apelidado injustamente de "enceradeira".

No Palmeiras, Zinho era o ponto de equilibrio da equipe e foi responsável pelo gol que abriu a goleada de 4 x 0 sobre o Corinthians na final do Paulista de 1994, quebrando o longo jejum de títulos. Atuou no Palmeiras entre 1992 e 1994, quando foi jogar no Japão, e voltou em 1997 para conquistar mais 3 títulos importantes e saiu 1999. Em 2002 retornou novamente ao Palmeiras mas um desentendimento com o então treinador Jair Picerni, abreviou sua última passagem no Palmeiras e foi jogar no Cruzeiro para para conquistar seu quinto título do Campeonato Brasileiro.

Zinho atuou em 333 jogos no Palmeiras e marcou 56 gols. Foi campeão Paulista em 93 e 94, do Rio-São Paulo em 93, campeão Brasileiro em 93 e 94, da Copa do Brasil em 1998, da Mercosul em 1998 e da Libertadores em 1999.

 

 


« Última Página :: Próxima Página »