ESCRITOR ANTONIO CABRAL FILHO VERSO & PROSA

Concurso 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça * Antonio Cabral Filho - RJ

Postado em 10/4/2015 em 10:36 AM

*


ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO

promove  o concurso:

1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE CACHAÇA

Art. 1º - DO CONCURSO 
O concurso, 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, idealizado, promovido e organizado pelo escritor Antonio Cabral Filho, tem a cachaça apenas como tema central, podendo versar sobre quaisquer assuntos correlatos.
Art. 2º - DAS INSCRIÇÕES
Poderão se inscrever somente autores brasileiros, maiores de 18 anos, residentes no Brasil, com apenas (1) trova por participante.
§ 1º - A inscrição é gratuita. Será aceita no período de 15 de março a 15 de agosto de 2015, com o envio da trova em Time New Romain tamanho 14, espaço simples e resumo biográfico em cinco linhas, através do e-mail antologiabrasiliterario@gmail.com, dirigido à  1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, Org. Antonio Cabral Filho.
§ 2º - A trova, escrita em língua portuguesa, deve ter:
a ) obrigatoriamente, métrica setessilábica;
b ) rima, que poderá ser, abab, abba ou aabb;
c ) os necessários sinais de pontuação;
d ) letras maiúscula, somente, no início das frases que compõem os versos.

Art. 3º - DA COMISSÃO JULGADORA
A Comissão Julgadora é soberana em suas decisões e conferirá notas de 0,1 a 10 cujo resultado será irreversível. As trovas classificadas,  até o limite de cem (100), participarão da 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, cabendo,  aos autores a responsabilidade quanto à autoria e inscrição do texto.
Art. 4º - DA 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE CACHAÇA
A 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça terá 100 páginas destinadas às trovas classificadas, o equivalente a uma (1) página por autor, antecedidas de dez (10) páginas a cargo da Comissão Julgadora, resultando em um livro de 110 páginas, em formato e-book (livro digital) que será entregue, via e-mail, aos participantes. A todos, que se interessarem, estará disponível gratuitamente via internet. Será publicado no blog: ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO
http://antologiabrasilliterario.blogspot.com.br/
Ficará a cargo dos autores a livre divulgação em outros espaços.
Art. 5º - DAS RESPONSABILIDADES
O promotor do concurso informa que o ato de inscrição significa aceitação das normas, acima expostas, e a consequente liberação da obra para integrar este certame. A divulgação dos resultados será publicada no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERARIO, de propriedade do promotor do evento, até 15 de setembro de 2015, seguida da publicação e envio do livro aos autores, conforme Art. 4º .
Parágrafo único - Todos os inscritos terão os trabalhos publicados, um em cada postagem, no blog do concurso.
COMISSÃO ORGANIZADORA
Rio de Janeiro, 15 de março de 2015
***

 

CrônicA DoS TempoS MoDernoS * Antonio Cabral Filho - RJ

Postado em 20/1/2015 em 04:06 PM
 
-internet-

Esta crônica é resultado de uma conversa que eu teria com o velho companheiro de lutas Chico da Cátia. Era um companheiro de toda hora, sempre pronto a dar ajuda a quem quer que fosse. Sua viúva, a Cátia, é professora da rede pública estadual do Rio de Janeiro e ele adquiriu esse apelido devido a sua obediência a ela, pois sempre que estávamos numa reunião ou assembleia ou evento, qualquer coisa e ela dissesse "vamos embora!", o Chico obedecia, e, ao se despedir dizia: com mulher, não se discute. Apertava a mão dos amigos e partia. 

Hoje, terceiro domingo do janeiro de 2015, estou cercado. Literalmente cercado. Cercado sim e cercado sem nenhum soldado armado até aos dentes tomando conta de mim. Não há sequer um helicoptero das forças armadas americanas sobrevoando o meu prédio equipado com mísseis terra-ar para exterminar-me ao menor movimento, como está acontecendo agorinha em algum lugar do oriente asiático. Estou dentro de um apartamento super ventilado, localizado próximo a uma área de reserva da mata atlântica, local extremamente confortável, mas cercado de calor por todos os lados, e devido ao precário abastecimento de água na região, sequer posso ficar tomando um banhozinho de hora em hora, pois a minha caixa d'água está pela metade. Hoje, estou tão cercado que sequer posso sair cidade a fora, batendo pernas, ou melhor, chinelos, pegar ônibus ou metrô ou BRTs e ir lá na casa daquele velho companheiro de lutas Chico da Cátia, no Morro do Falet, em Santa Tereza, para pormos as ideias em dia. É que a mulher saiu, foi para a casa da maezinha dela e como eu tinha dentista ontem, não fui também e estou em casa, cercado também pelo necessário repouso orientado pelo médico, que receitou-me cuidados com o calor devido ao dente estar aberto. 

Mas, firulas à parte, lembro-me de uma conversa que tive com o Chico após a eleição do Tancredo pelo colégio eleitoral, que golpeou as DIRETAS JÁ, propostas pelo povo, na qual buscávamos entender os interesses por detrás disso, uma vez que as eleições diretas não representavam nenhuma ameaça ao Poder Burguês no Brasil, aos interesses do capital, e até pelo contrário, daria uma fachada "democrática ao país" Nessa conversa, eu e o Chico procuramos esmiuçar os segmentos da burguesia dominante no Brasil, ao contrário do conceito de "burguesia brasileira" proposto pela sociologia dos FHCs da vida. Chegamos à conclusão de que ela também se divide, tem contradições internas e nos seus embates, o setor hegemônico do capital é quem predominar. Nesse quesito nos detivemos um bom tempo debatendo, destrinçando os comportamento orgânicos do capital, e concluímos que o liberalismo, fantasiado de neo ou não, é liberal até o momento em que seus interesses são atingidos, muitas vezes por setores da própria burguesia; nesses momentos, o setor dominante, hegemônico, lança mão do que estiver ao seu alcance, seja o aparelho legislativo, o judiciário e, na falta do executivo, serve qualquer instrumento de força, como eliminação física dos seus opositores, golpe de mídia ou golpe de estado, muitas vezes por dentro dos próprios setores em disputa, como se comprovou com a morte de Tancredo Neves, de Ulisses Guimarães e de uma série de próceres da burguesia, mortos logo a seguir. 

Porém, como disse, hoje estou cercado. Cercado por todos os lados, cercado até politicamente, pois os instrumentos democratizantes do meu país estão dominados pelos instrumentos fascistizantes da sociedade. É que a burguesia tem táticas bastante sutis de penetração, de corrosão do poder de seus adversários e atua de modo tão venal que é quase impossível comprovar as suas ações. Ninguém vai querer concordar comigo em que os setores corruptos da esquerda sejam "arapongas" da direita; que os "ratos" que enchem o país de ONGs, só pra sugar verbas públicas com pseudo-projetos sociais, sejam "arapongas" da direita; que os ratazanas que usam a CUT, o MST, o Movimento por Moradia, e controlam os organismos de políticas sociais do país sejam "arapongas" da direita; que os LULAS, lulista e cia, o PT, a Dilma etc, sejam a própria direita; pois do contrário, como se explica a repressão aos movimentos sociais, como se explica a criminalização das ações populares em manifestações pelo país a fora? Só vejo uma única resposta: Está fora do controle "DELLES!" 

Portanto, como disse, estou cercado. Hoje, num domingo extremamente quente, com parco provimento de água, não posso mais, sequer, ir à casa do meu amigo Chico da Cátia. Ela, já está com a idade avançada, a paciência esgotada de tanto lutar por democracia, não aguenta mais sair e participar dos movimentos sociais, e eu sou obrigado a ficar no meu canto, idoso e só, pois o Chico já está "na melhor!"; não disponho mais dele para exercitar a acuidade ideológica e não me permitir ser um "maria vai com as outras" social, um alienado no meio da massa, um zé-niguém na multidão, o " boi do Raul Seixas": "Vocês que fazem parte dessa massa, que passa nos projetos do futuro..."  Por exemplo, queria conversar com ele sobre esse "CASO CHARLIE HEBDO", lá da França, em que morreu um monte de gente graças a uma charge. Mas ele objetaria; "Uma charge?!" É verdade. Não foi a charge que matou um monte de gente, não foi o jornal que matou um monte de gente, não foram os humoristas que mataram um monte de gente. Assim como na morte de Tancredo Neves e tantos membros da própria burguesia no Brasil, quem matou um monte de gente é o instrumento fascistizante da sociedade mundial, ou seja, a disputa orgânica do capital, a concorrência entre o capital ocidental e o capital oriental, que promove o racismo e vende armas, que promove a intolerância religiosa e vende armas, que promove as organizações terroristas em todo o mundo e vende armas; que vilipendia as liberdades humanas intrínsecas, pisoteia a dignidade mais elementar, como o direito à crença, como o respeito etnico, a liberdade de escolhas, as opções sexuais, e o que é pior, chama isso de LIBERDADE e comete crimes hediondos em nome da Liberdade de Imprensa, da Liberdade de Expressão,  a ponto de a ministra da justiça francesa, uma mulher, uma negra, alguém que merece respeito, ser comparada com uma macaca, e ninguém falar nada. Com toda certeza do mundo, eu e o Chico jamais seremos CHARLIE....  
***

INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE FEVEREIRO - CONCURSO DE TROVAS 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE FUTEBOL # ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 29/9/2014 em 07:22 PM

INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE FEVEREIRO - CONCURSO DE TROVAS 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE FUTEBOL * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

 
ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO

promove  o concurso
-portaldoprofessor-
*
1ª ANTOLOGIA CEM TROVAS SOBRE FUTEBOL

Art 1º - DO CONCURSO: 

O concurso 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, é concebido, promovido e organizado pelo escritor Antonio Cabral Filho e tem o futebol apenas como tema central, podendo versar sobre quaisquer assuntos correlatos. Será exigido cumprimento de métrica setessilábica e rima abab, abba e aabb.

Art 2º - DAS INSCRIÇÕES: 

Poderão se inscrever apenas autores brasileiros residentes no Brasil maiores de 18 anos, entre 15 de outubro de 2014 e 15 de janeiro de 2015, VIA EMAIL, com apenas uma (1) trova em língua portuguesa. No ato da inscrição, o mesmo remete o texto digitado em times new roman 14, resumo biográfico de cinco linhas, a Antonio Cabral Filho, pelo email antologiabrasiliterario@gmail.com,  dirigido a 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, Org Antonio Cabral Filho.

Art 3º - DA COMISSÃO JULGADORA:

A Comissão Julgadora é soberana em suas decisões, e conferirá notas de 0,1 a 10 e seu resultado é irreversível. Os autores classificados até a quantia de cem (100) farão parte da 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, cabendo aos mesmos a responsabilidade quanto a autoria e registro do texto inscrito.

Art 4º - DA 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE FUTEBOL

A 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol terá 100 páginas destinas aos autores classificados, portanto uma (1) página por autor, em formato e-book - livro digital - que será entregue via e-mail, antecedidas de dez ( 10 ) páginas a cargo da Comissão Julgadora, o que resulta em um  livro de 110 páginas. O livro 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol será publicado no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO
http://antologiabrasilliterario.blogspot.com.br/ 
ficando a cargo dos respectivos interessados a divulgação em outros espaços e disponibilizado gratuitamente via internet.

Art 5º -  DAS RESPONSABILIDADES:
O promotor do concurso informa que o ato de inscrição significa aceitação das normas acima expostas e a consequente liberação da sua obra para integrar este certame. A divulgação dos resultados será publicada no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERARIO,  de propriedade do promotor do evento, até 15 de fevereiro de 2015, seguida da publicação e remessa do livro a todos seus autores, conforme Art 2º.
Parágrafo Único: Todos os inscritos serão publicados um em cada postagem no blog do concurso.

COMISSÃO ORGANIZADORA
Rio de Janeiro, 15 de outubro de 2014

*** 

SELETA DI VERSOS - POESIA # ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 29/9/2014 em 07:17 PM

COLECTÂNEA LITERÁRIA - POESIA DE ANTÓNIO CABRAL FILHO - NA FÉNIX - COM O NOSSO ABRAÇO - CARMINHO E hENRIQUE


 

Prezado Autor e Prezados Leitores,
para visualizarem correctamente todas as páginas desta Colectânea Literária, 
cliquem no link abaixo:
 
 
- Ligue o som -
 
 

Visite todas as nossas Colectâneas de Arte e Literatura em:
 
 
e venha fazer connosco a sua Colectânea Pessoal (GRATUITA)
 
***
Com o nosso abraço
Carmo Vasconcelos e Henrique Lacerda Ramalho
 ***
Observação:

MEUS AMIGOS,
eu gostaria de compartilhar com todos que ajudaram-me na publicação deste livro, SETETA DI VERSOS, seja na leitura dos mesmos e deixando seus comentários, seja na divulgação dos mesmos em seus blogs, páginas e sites, tornando-os qualificados para a formação desta seleta. Deixo aqui registrado o meu agradecimento a CARMO VASCONCELOS E HENRIQUE RAMALHO
pela publicação deste livro que tanto me emociona!

*** 

PEDRO GIUSTI ENTREVISTA ANTONIO CABRAL FILHO * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 6/8/2014 em 10:59 AM
MOMENTO LITERO CULTUAL - SELMO VASCONCELLOS  - RO
ANTONIO CABRAL FILHO
 
"O poeta é um romântico revolucionário em tempo integral."
__________________________________


Entrevistador: Eu Caçador de Mim
Entrevista:

***

P: Quem é Antonio Cabral Filho?
R: Gosto deste modo de perguntar; porque é frontal e permite uma resposta extensa ou sucinta; mas prefiro esta: Sou Antonio Cabral Filho, que em vossa presença emigra; do pinto que não quer milho, João Cabral que lhe diga.


P: Como começou a escrever? Teve influências familiares?
R: Durante a catequese no meio rural em que vivi até aos quinze anos, é comum o uso das formas literárias e musicais populares; e foi aí, dentro da igreja que fiz contato com a poesia, fazendo quadras para cantar durante as aulas de catecismo, em sua maioria, dedicadas a Nossa Senhora. E, como não podia deixar de ser, minha maior instrutora foi minha mãe, que ainda canta "Ìndia, seus cabelos nos ombros caídos, negros como anoite que não tem mais fim..." como ninguém.


P: Por que poesia?
R: A poesia é meu forte, em função da objetividade com que ela serve para dar a resposta certa na hora certa ao interlocutor certo...


P: Como o poeta se coloca no mundo?
R: No meio da arena, com uma espada em cada mão...


P: Como é seu processo de criação? Existe inspiração?
R: Relâmpago, como agora; a resposta é medida pela pergunta. Inspiraçâo?  "Por Deus e por todas as coisas em que não creio, minha sombra fala, mas não no creio." (O Viandante e Sua Sombra - Nietzsche)


P: Atualmente, para quem os poetas escrevem?
R: Não somente os poetas, mas todo escritor escreve para si mesmo.


P: A arte é própria dos artistas ou todo mundo é artista?
R: Ferreira Gullar fala sobre isso o tempo todo e eu concordo: Todo mundo é artista. O que diferencia os "artistas" do seu conjunto (humanidade) é a sensibilidade com referencia a sua criação: Jamais existirão dois "Fernando Pessoa".


P: Despertar para a literatura é despertar para si mesmo?
R: Na medida em que seja despertar para o Mundo, sim.


P: A arte contribui para melhor compreensão do mundo?
R: Arte é integração da pessoa com o Mundo, e, na medida em que despertamos para nós mesmos, rompemos o processo alienante e nos tornamos sujeitos, frente a nós , portanto frente ao mundo.


P: Crê que a poesia, mesmo a não engajada, é um agente de
transformação pessoal? E social?
R: Até Marx já falou sobre isso: Um bom poema de amor é engajado na medida humana do Amor, uma vez que ELE resgata a pessoa na dimensão individual e a transporta para o coletivo ante a pessoa amada.


P: Acha importante o intercâmbio entre os escritores e seus leitores?
R: É a maior "oficina" do escritor; pois se recebe contribuições fantásticas, às vezes sem a menor pretensão.


P: Como vê os prêmios, concursos, eventos e afins? Contribuem
realmente para melhor literatura e formação de público?
R: Como palcos da produção, onde se realizam as suas concretudes, uma vez que "vender" uma ideia ou um produto depende desses dois componentes: A VIA de acesso e o DESTINATÁRIO.


P: A internet disseminou a literatura? Como vê os sites, blogs? Como
alteram a relação entre escritor/público?
R: A INTERNET assustou muita gente; a mim inclusive, que desmontei uma livraria e distribuidora em 1992, por trabalhar, basicamente, com livro didático, o mais "xerocado" e "baixado" do mundo; no entanto, para a literatura, ela representa um espaço ilimitado, pois permite acesso a mais pessoas e combate o preço final do livro impresso. Os blogs são "nossos fanzines" de outrora, tão guerreiros, buscando sempre mais adeptos/fãs/colecionadores...


P: Considera os saraus importantes para a socialização da poesia?
R: São fantásticos espaços de encontro entre escritores, leitores, boêmios, personagens etc


P: Como vê a literatura atual? Quais seus novos autores preferidos?
R: A literatura atual, brasileira, é sucesso de ponta a ponta do territótio nacional, dadas as suas necessárias proporções; hoje ficou mais difícil ser "best-seller" na metrópole, mas de certa forma, todos o são nas suas províncias...
Sobre os "Novos Autores", fica difícil destacar alguém, justamente devido ao grande número de gente publicando.

*
P: Deixe um pequeno currículo.
Antonio Cabral Filho publicou até agora ECCE HOMO, poesia, 1997; DUELO DE SOMBRAS, poesia, 1999; VER...SO CURTO&GROSSO, poemas piadas,2006; CD/DVD DEPOESIA, 2008, CINZA DOS OSSOS, poesia, 2009...

Coletâneas: POETAS DA CIDADE DE NITERÓI, poesia, 1992; ANTOLOGIA POÉTICA 2 -UFF/Eduff, poesia 1996; POETAS 10engaVETADOS, poesia, 1995; BRASIL LITERÁRIO 2007/2010; ANTOLOGIA 13 POSTAL CLUBE, poesia, 2011; FANTASIAS, coletânea de contos, crônicas e poesia, 2011, ALPAS21; POETAS EN/CENA 6 BELÔ POÉTICO 2012. Em programação: ANTOLOGIA DE POETAS BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS, pela Ed. Pimenta Malagueta/Elenilson Nascimento...

*
Contato:


E-mail: letrastaquarenses@yahoo.com.br
Blog: letrastaquarenses.blogspot.com.br 

*
Pequena mostra da poesia de Antonio Cabral Filho

HAICAIS

Das copas floridas,
despencam só broches de ouro:
Ipês amarelos.
*
No cinzeiro cheio,
a prova do que serão...
Só quero aplaudir...
*
Canto da Uiara,
lá bem no ermo da floresta:
Quem ouve, não volta.
*
Na dança do fogo,
chamas devoram desejos:
Sagração do rogo.
*
Pleno meio dia,
nenhuma nuvem no céu:
Verão implacável.

TROVAS

Trem é coisa de mineiro,
mas é meio de partida;
leva o pai ao estrangeiro,
deixando a mãe desvalida.
*
Quem criou obras tão belas
como o luar das Gerais,
fez da mulher uma delas,
mas pra si tem algo mais...
*
Minas é demais da conta,
é terra das emoções;
pois só ela tem "Três Pontas"
e até "Três Corações"

*
Todos cantam sua terra,
também vou cantar a minha;
mas no meu verso se encerra:
- Minas Gerais é rainha!
*
POEMAS PIADAS

DESEMBUCHE

Oh meu caro Gabo,
tenha a santa paciência;
ninguém aguenta mais
"Cem Anos de Solidão!"
*
MACUNAIMAICAI

Sacrifício algum
vale prazer mais intenso
que matar o tempo.
*
MILITÂNCIA

Os meus sonhos de 68
acabaram em 69
nas areias de Ipanema
com uma loura bem suada.
*
SARRO

Poema feito nas coxas
é igual a mulher bonita:
Não precisa entender o enredo,
basta gostar do arranjo.
*
ELEGIA DE AUGUSTO DOS ANJOS

Fui ler Augusto dos Anjos,
mas assim logo de cara
fiquei que nem os arcanjos
caçando "Escarlete Ohara".

Pareceu-me um Frankenstein,
Drácula sem Baviera;
Por mais que vocês estranhem,
achei bem pior do que era.

Mas depois eu me dei conta,
tanta riqueza linguística
cuspida por gente tonta

sem apreço com estilística,
fora os burros sem cabrestos
aos coices pelos seus textos.
*
ESPELHO DE SOMBRAS

Por sobre os ombros
os olhos fitam o mundo
refletido no espelho
através da janela...
O corpo imerso no dia convulso
insensível aos suicídios
e ao calor das discussões
não figura, não é mais nem menos
na paisagem alheia.
O pintor no atelier
não o notaria pousado na folha
branca sobre a mesa.
O dia cheio de mecanismos
é tudo que cabe no espelho;
O resto, os olhos não podem ver...

*** 

LETRAS TAQUARENSES Nº 58 AGOSTO 2014 * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 6/8/2014 em 10:53 AM

 

LETRAS TAQUARENSES FANZINE E_BOOK

http://pt.calameo.com/books/0018930738b9f0a5e8620

***

LETRAS TAQUARENSES BLOG

http://letrastaquarenses.blogspot.com.br/

***

NESTA EDIÇÃO
J. CARDIAS, LEILA MICCOLIS, CIDA MICOSSI, HUMBERTO DEL MAESTRO, JOÃO BATISTA SERRA, MANUEL FERNANDES MENENDEZ, FERNANDO VASCONCELOS, ELIANA RUIZ JIMENEZ, OLIVALDO JUNIOR, NEIDE ROCHA PORTUGAL, RENATA PACCOLA, ALAOR EDUARDO SCISÍNIO, JESSÉ NASCIMENTO, A.A. DE ASSIS, HENNY KROPF, FRANCISCO DE ASSIS NASCIMENTO, WALTER SIQUEIRA E ANTONIO CABRAL FILHO.
***
**
*

LETRAS TAQUARENSES Nº 56 JUNHO 2014 # Antonio Cabral Filho - Rj

Postado em 3/6/2014 em 08:53 PM

 

LETRAS TAQUARENSES FANZINE

http://pt.calameo.com/books/0018930730bad991d849d 

***

LETRAS TAQUARENSES BLOG 

http://letrastaquarenses.blogspot.com.br/ 

***

 

 

GERAÇÃO 22 # Antonio Cabral Filho - Rj

Postado em 12/5/2014 em 01:36 PM
 
Oswald de Andrade - internet
***
GERAÇÃO 22

O movimento modernista
tinha mesmo que dar certo,

pois entronou a paranóia
como essência do poder

e estabeleceu que o certo
para o povo brasileiro

é ser macunaímico,
sem vergonha nenhuma

de ser sem vergonha,
graças à sisudez de Mário

e à pandeguice de Oswald,
sem chamar ninguém de 22.
***

LETRAS TAQUARENSES Nº 55 JUNHO 2014 # Antonio Cabral Filho - Rj

Postado em 12/5/2014 em 01:25 PM

 

LETRAS TAQUARENSES E_BOOK

http://pt.calameo.com/books/00189307316ac601c15ae 

*

LETRAS TAQUARENSES BLOG

http://letrastaquarenses.blogspot.com.br/ 

***

LETRAS TAQUARENSES Nº 55 MAIO DE 2014
EDITOR: ANTONIO CABRAL FILHO - RJ
*
NESTA EDIÇÃO
haicas, trovas, versos livres dos mais mais notáveis poetas brasileiros: Manoel F. Menendez-Sp, Eliana Ruiz Jimenez-Sc, Neide Rocha Portugal-Pr, Humberto del Maestro-Es, Renata Paccola-Sp, Jessé Nascimento-Rj, Henny Kropf-Rj, Silvério da Costa-Sc, Francisco de Assis Nascimento-Go, Olivaldo Junior-Sp, Franklin Coutinho-Rj, Walter Siqueira-Rj, Ilma Fontes-Se, Aricy Curvello-Es, Leila Miccolis-Rj, Tanussi Cardoso-Rj, Antonio Luiz Lopes Touché-Sp, Walmor DS Colmenero-Sp, Iacyr Anderson Freitas-Mg, Moacy Cirne-Rn, José Jackson Sampaio-Ce, Auri Antonio Ssudati-Rs, José Paulo Paes-Sp e Antonio Cabral Filho-Rj
*

 

ANTOLOGIA MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS * ORG DILERCY ADLER - MA

Postado em 3/4/2014 em 08:37 PM

 

ANTOLOGIA MIL POEMAS A GONÇALVES DIAS - PART. ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

http://issuu.com/leovaz/docs/mil_poemas1a_-_parte_1

***

Antologia Mil Poemas a Vinicius de Moraes - Part. Antonio Cabral Filho - Rj/Brasil

Postado em 3/4/2014 em 08:29 PM

 

DORIVAL CAYMMI 100 ANOS # Antonio Cabral Filho - Rj

Postado em 3/4/2014 em 08:24 PM

X

Jorge Amado e Dorival Caymmi,
dois baianos porretas. Amigos, em 30 de Abril próximo
DORIVAL CAYMMI
completa 100 ANOS DE NASCIMENTO.
Vamos homenageá-lo!
 
************************

EMBOLADA À CAYMMI

Caymmi que me perdoe,
mas cantar só a Marina
é um erro imperdoável,
é deixar todas as outras,
mulheres tanto que são,
numa secura asiática.

Não precisa ser Dom Juan,
pra visitar à surdina 
somente as escolhidas
ou Bandido da Luz Vermelha
e cobrar a peso de ouro
o orgasmo sorrateiro
das suas vagabas paulistas,
nem dar uma de Vinícius
e classificar de feias
todas que não "pegou",
ou fazer como Drummond,
para amar somente as sonsas
no escurinho dos cinemas.
Muito menos esnobar,
como fez Manuel Bandeira,
que se amarrou em Tereza
e nas horas mais soturnas
fazia visitas secretas
à Rosa de faces lívidas
e quando ela adormecia
seu sono de querubim,
Bandeira corcovinava,
lépido qual uma lebre,
pela Mem de Sá a fora, 
cruzava a Frei Caneca,
quebrava na Carmo Neto
e ia findar no Mangue,
onde ele se realizava
nos braços de Colombinas,
Leninhas, Brigites e tais
do seu mundinho privê.
Mas logo que se fartava,
fazia o caminho de volta
pra fastiar-se na Lapa,
quiçá nos braços de Irena
n'algum daqueles becos
que rondam a velha igreja
de Nossa Senhora do Carmo,
e, quando o dia raiava,
Bandeira se recolhia,
sem sorriso de Arminda
nem carinho de Isabel
e se punha a construir
sua nova canção do beco,
sem beijo nem lembrança
do frustrado amor de antonia.

Mas Caymmi que me perdoe,
cantar somente a Marina
é um erro imperdoável!
***

 

MARÇO DE CELEBRAÇÕES # ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 27/2/2014 em 11:15 PM
MULHER INFINITA
DIA INTERNACIONAL DA MULHER
VARAL DO BRASIL Nº28 MARÇO 2014

http://pt.calameo.com/read/001893073ca3d69c65601

AQUI, eu fui incluído pela EDITORA JACQUELINE AISENMAN  com um conjunto de trovas homenageando a Escritora mineira NATÉRCIA SILVA VILLEFORT COSTA, também advogada e servidora pública da ALEMG, aposentada.
*
CENTENÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS
*
Para CAROLINA MARIA DE JESUS
 eu compus uma série de trovas, e abordo a psicologia de CAROLINA, sua mineirice, suas desconfianças, seu modo arredio com o mundo, pois como descendente de escravos, que também sou, não é possível se deixar "levar" por nada nem por ninguém. Daí, ela ter sido mulher solteira, como sua mãe e, até onde dá para perceber por seus diários, seu avô materno também tinha coração nômade.
*
CAROLINA MARIA DE JESUS EM TROVAS
HOMENAGEM AO SEU CENTENÁRIO
1
Carolina, de nascença,
é Maria de Jesus,
sem saber qual a sentença,
carregou a sua cruz.
2
De nascença, foi bastarda,
mas foi seu SÓCRATES NEGRO
quem mostrou-lhe quantas jardas
anda quem não paga arrego.
3
Muito cedo foi pra lida,
suar o sal do seu pão
e conhecer esta vida
nos palcos da exploração.
4
Primeiro, aturou madame,
aguentando humilhação,
mas viu tanta coisa infame,
que virou arribação.
5
Foi fazer do dia-a-dia
pelas vias da cidade
templo de filosofia,
sem implorar caridade.
6
Trabalhou de sol a sol,
como faz o garimpeiro,
mas a pepita maior
foi o seu berço primeiro.
7
Foi pessoa de respeito,
erguendo alto seu pejo,
guardou as mágoas do peito
no seu " Quarto de despejo."
8
Mas Carolina é Maria,
inspiração de Jesus;
a "Casa de Alvenaria"
veio aliviar a cruz.
9
Passou por muitos percalços,
mas nada sujou seu nome;
nem a força dos fracassos
nem os "Pedaços da Fome."
10
Irradiou seus "Provérbios"
no "Diário de Catita",
sem ligar a lei dos verbos
à lei da sua desdita.
11
Da Sacramento mineira
para a "Canindé paulista",
Carolina foi guerreira
metendo a cara na pista.
12
Sempre foi mulher solteira,
mãe à suas próprias custas;
como não foi a primeira,
fez para si leis mais justas.
13
Carolina de Jesus,
Maria livre de laço,
foi livre porque faz jus
ao seu quatorze de março.
14
Carolina proletária,
Maria de Jesus é
também revolucionária
pelas letras de Tomé.
15
Carolina e Castro Alves
trazem bandeira no mastro:
Coincidem nos entraves
e no quatorze de março.
16
Mas Carolina é demais,
extraiu seu pão da rua
e quanto mais ela sua
mais crê naquilo que faz.
***
CASTRO ALVES
DIA NACIONAL DA POESIA.
**

APANHADOR DE SONHOS, ANTOLOGIA POÉTICA - ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 6/2/2014 em 02:17 PM

 

VERSOS DE OUTONO ANTOLOGIA * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 1/2/2014 em 12:24 PM

 

VERSOS DE OUTONO ANTOLOGIA,

Delmo Fonseca, Confraria de autores - Sapere Editora 2013.

A poesia brasileira precisa disso, alguém que possa aglutinar escritores para editar e colocar em circulação. Pois 99% dos escritores não têm condições de meter a mão no bolso e financiar um livro sozinho. 

VERSOS DE OUTONO ANTOLOGIA

é resultado disso, desse tipo de iniciativa. Ouço dizer que esses "editores" são todos uns "caça-níqueis"!  Que bom! Sem eles, os escritores "níqueis!" não estariam sendo editados com suas moedas, que vão juntando, juntando, até dar para entrar na "vaquinha" e participar de um livro.

Porém , é necessário que se diga, são livros que não deixam a desejar em qualidade gráfica e produção editorial. Não é porque se trata de uma coletânea de desconhecidos que precisa ser mal feita. Nesse aspecto, podemos tirar o chapéu para o Orientador Editorial. Delmo Fonseca tem uma ficha confiável por qualquer um.

Gostaria de expor aqui o perfil literário de cada autor desta obra, mas fica enfadonho, uma vez que  quem nos "considera" dispensa essas formalidades e quem nos despreza , despreza também elas.

Deixo-lhes o meu

PERFIL LITERÁRIO

1 - INTRODUÇÃO

Nasci em 13 de agosto de 1953, no município de Frei Inocêncio - MG. Em 1964, após o golpe militar, fui para a escola, por decreto do generalíssimo Castelo Branco, aos onze anos de idade. Em 1968 concluí a quarta série, com média 7. Nessa época eu fazia teatro, na escola e na igreja, e, com a ajuda da única pessoa que eu considero Professora neste mundo, a Dona Adir, como eu ainda a chamo, montamos a peça O FILHO PRÓDIGO, com a intensão de realçar a auto-destruição em que se encontrava a juventude naquele momento.
@
Durante as férias escolares de junho de 1968, dei uma chegada ao Rio de Janeiro para fazer uns biscates e comprar roupa nova, mas ao chegar no Catumbi, meu primo Sadi levou-me para conhecer a cidade. Era 26 de junho, dia da PASSEATA DOS CEM MIL. Passeei na passeata.
Em junho de 1969, meu Tio paterno Sebastião Cabral, mestre de obras no Rio de Janeiro, foi buscar peão para suas obras e eu me alistei. Falei com ele da necessidade de eu sair da roça, escapar das garras do meu pai, deixar de ser mão-de-obra gratuita. Tinha quinze anos e era escravo do meu próprio pai.
Ele compreendeu e arrancou-me da casa paterna, não sem antes anunciar-me as agruras da cidade. Ao chegar em seu barraco, na Favela da Mineira, meu romantismo com a cidade grande foi pelo valão abaixo. Vi cair aos meus pés um menino fuzilado pela polícia, que segundo foi dito, era traficante. Durante muito tempo eu tive pesadelos por causa disso.
@
Morei na casa do meu querido tio até ir para o quartel. Matriculei-me na Escola Geny Gomes, no Rio Comprido e cursei o ginásio. Era um tempo turbulento, com muitos professores fazendo "inquéritos" com os alunos. Logo a seguir, entrei no Colégio Martin Luther King, fiz a sétima e a oitava séries e fui para o profissionalizante, no Curso Santa Rosa, Largo de São Francisco, em frente ao IFCS-UFRJ. Era 1974, fui promovido a cabo do exército, mas de olho no curso de sargento. Fiz o curso e passei, fiquei até 77 aguardando a promoção que não veio e pedi baixa; passei no vestibular e fui cursar direito na UFF. Abandonei por desilusão com a filosofia do direito após o quarto período; fui para comunicação social, mas a psicologia da notícia acabou comigo. Caí na vida e estou pegando touro à mão.
@

BIBLIOGRAFIA

1 - ECCE HOMO - POESIA, Edições Curupira, 1997;
2 - DUELO DE SOMBRAS, POESIA, Edições Curupira, 1999;
3 - VER...SO CURTO&GROSSO - POEMAS PIADAS, Edições Letras Taquarenses, 2006;
4 - CINZA DOS OSSOS, POESIA, Edições Letras Taquarenses, 2008;
5 - MEUS HAICAIS PREFERIDOS, COLETÂNEA DE 20 AUTORES, Org Antonio Cabral Filho, Edições Letras Taquarenses, 2010
6 - TROVAS DE TORCEDOR, TEMA FUTEBOL, E-BOOK, 2010;
7 - TROVADOR DE FÉ, RELIGIÃO, E-BOOK, 2011;
8 - TROVAS DE AMIGO, HOMENAGENS, CRÍTICAS, IRONIAS, E-BOOK,2011;
9 - AUTOBIOGRAFIA EM TROVAS & VERSOS FAMILIARES, E-BOOK, 2012;
10 - CADERNO DE HAICAIS, E-BOOK, 2013.
@
PARTICIPAÇÕES

1 - POETAS DA CIDADE DE NITERÓI, ANE - 
Associação Niteroiense de Escritores, 1992;
2 - POETAS 10ENGAVETADOS, Coletânea
, Org. Antonio Cabral Filho, Edição dos Autores, 1995;
3 - ANTOLOGIA POÉTICA VOL2, UFF/EDUFF 1996;
4 - INTERVALO, Ano II Nº10, 
Edição Francisco Filardi, 2006;
5 - ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO 2007,
 Org Ivone Vebber, 2007;
6 - QVADERNS DE POESÍA SETEMBRO 2007,
 Org Padre MossenPere Grau i Andreu, 
Edição Le Club de Difusion Cultural,
 Barcelona-Espanha 2007;
7 - CD DE POESIA 2008,
 Org Carmem Borges 2008;
8 - DVD DE POESIA 2008, 
 Org Carmem Borges 2008;
9 - ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO 2009,
 Org Ivone Vebber 2009;
10 - QVADERNS DE POESÍA SETEMBRO 2010,
 Org Padre Mossen Pere Grau i Andreu, 
Edição Le Club de Difusion Cultural, 
Barcelona-Espanha 2010;
11 - FANTASIAS COLETÂNEA,
 Org Rozelia Scheifler Rasia et all, 
Edição Alpas21/Ed Alternativa 2011;
12 - ANTOLOGIA 13 POSTAL CLUBE,
 oRG Araci Barreto, Edição Postal Clube, 2011;
13 - POETAS EN / CENA  6 - BELÔ POÉTICO,
 Org Rogério Salgado e Virgilene Araújo, BELÔ POÉTICO 2012;
14 - VERSOS DE OUTONO ANTOLOGIA 
Org Delmo Fonseca, Edição Confraria de Autores 2013;
15 - ANTOLOGIA 15 POSTAL CLUBE,
 Org Araci Barreto, Edição Postal Clube 2013;
16 - ANTOLOGIA DE POETAS BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS
Org Elenilson Nascimento, Editora Pimenta Malagueta, 2013;
17 - DIÁRIO DO ESCRITOR - Livro Agenda, Litteris Editora, 2013.
x
EBOOKS
http://acf136.blogspot.com.br/p/minhas-participacoese-bboks.html
X

Antologia Poética Vol2 Uff/Eduff 1996 * Antonio Cabral Filho - RJ

Postado em 1/2/2014 em 09:51 AM

 

Antologia Poética Vol2, Uff/Eduff 1996, é resultado dos festivais realizados pela universidade anualmente, envolvendo sua própria comunidade e todo o seu entorno, que consiste no leste fluminense, aonde ela campus e projetos. Foi nessa maré que eu "surfei", fui selecionado, depois classificado e, por fim, premiado com a publicação do meu DO POBRE ARLEQUIM,  Isso representa pra mim a primeira participação em concursos literários e a estreia em livro oficial. Foi a partir daí que a confiança cresceu e eu não paro de publicar livros e ganhar prêmios literários.

*

LETRAS TAQUARENSES Nº 53 Jan/Fev 2014 * Antonio Cabral Filho - RJ/Brasil

Postado em 13/1/2014 em 06:50 PM

AGUARDO-VOS....

http://letrastaquarenses.blogspot.com.br   

LETRAS TAQUARENSES 51 OUTUBRO 2013 * Antonio Cabral Filho - RJ

Postado em 13/10/2013 em 03:08 PM

 ACESSE....letrastaquarenses.blogspot.com.br

LETRAS TAQUARENSES 50 AGOSTO 2013 * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 10/8/2013 em 02:24 PM

 

ACESSE...letrastaquarenses.blogspot.com.br

LETRAS TAQUARENSES 49 JUNHO DE 2013 * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Postado em 21/6/2013 em 08:00 AM

 

ACESSE...letrastaquarenses.blogspot.com.br


Última Página | Página 1 de 3 | Próxima Página

Amigos