Crônicas do Maluco 2 (contos)

2.21.2012 - INÍCIO (nota do autor)

 

 

 

 

Este blog seria uma "continuação"  do Crônicas do Maluco.

A finalidade deste é trazer ao leitor  alguns dos meus contos  escritos  a alguns anos atraz. E os atuais também.

 

Assim que me sobrar mais tempo, prometo escrever todos os  outros contos.

 

Se você ainda não conheceu o blog CRÔNICAS DO MALUCO  ,  vale a pena dar uma conferida, mesmo para conhecer um pouco mais sobre o autor.  Segue o link:

cronicasdomaluco.blogspot.com/

 

 

Contato com o autor  (Via link acima)    

 

 

*ATENÇÃO Direitos Autorais Reservados ao autor Guilherme Marx. A cópia sem autorização do titular dos direitos autorais e ou detentor dos direitos de reprodução ou fora das estipulações legais constitui contrafação, um ato ilícito civil e criminal.
 

 

** ATENÇÃO:   Conteúdo  não recomendado para pessoas menores de idade. História de terror, violência explicita e morte.

Visto o aviso, é de sua total responsabilidade a leitura dos contos postados aqui.  Contem alguns erros de Português, pois os textos  ainda não foram revisados.  

 

 

Tenha uma ótima leitura.

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 1 __________________________________________________

 

 

 

 

Ja  era quase noite quando Soráia ouve o rangir de tabuas no sótão.


Ela então grita:

- Eduard é você meu filho ? Venha ja aqui, saia dai deste sótão, esta escurecendo  e logo o jantar estará sendo servido.

O alçapão do teto da lavanderia da casa se abre, e o pequeno Eduard de 6 anos de idade desce do sótão e diz:

- Pronto mamãe estou aqui.


Eduard Sáimon é um  menino muito inteligente, filho único de Norton.B. Sáimon e Soráia.L. Sáimon,  desde muito cedo ele se destacou perante as outras crianças  de sua mesma faixa etária.


Ele sempre foi calado e não tinha muitos amigos.



Em novembro de 1948 ; Soráia é levada para o hospital, prestes a dar a luz de gêmeos, mais apenas um dos bebês conseguiu sobreviver devido a gravidez ser considerada de risco na época.


O bebê nasceu prematuro e quase morreu no parto  junto com seu irmão gêmeo.


Soráia sempre contava esta história para as visitas e os amigos em geral, que raramente estavam e frequentar a casa.


Soráia dizia também que foi um milagre de Deus que salvou seu bebê, ela se sentia abençoada por ter seu filho tão cheio de saúde e super inteligente, e por ser uma criança linda.  O ano é 1954.


Eduard gosta de brincar com as velharias  que estão guardadas no sótão e dentre as coisas que ele mais admira são os livros antigos que lá estão guardados.
  

 

Gosta de olhar as figuras e se imaginar nelas, como uma espécie de
filme que se passa em sua mente, como em um sonho.


  Um livro que la se encontrava deixou o menino impressionado, era um livro antigo com desenhos, cenas de guerra e muito sangue.


  Ele arrancou a pagina com o desenho que ele mais admirava, uma cena em que um
guerreiro Samurai exibia a cabeça do seu inimigo na ponta de uma espada.

Mostrando a pagina ao seu pai ,ele disse:


- Olha papai, que legal.. a cabeça do homem esta enfiada na ponta da espada.


Norton era um homem muito amargo e ignorante quase sempre. Trabalhava em uma oficina de motos e durante a segunda grande guerra mundial Norton foi médico e enfermeiro de guerra.

Ele estava mais uma vez bêbado e disse: 

  -Deixe eu ver esta folha guri, mais o que é isso ?  Não é a pagina de um dos meus livros que esta lá no sótão ?


-Sim papai é isso mesmo, disse o pequeno Eduard.



Então Norton diz  em tom ameaçador:


- E você arrancou a pagina de um dos meus livros seu moleque dos infernos, vou te dar uma surra que você nunca mais
ira se esquecer, seu merda !


Ele levou mais um violento castigo de seu pai aquele dia.


Norton tinha problemas com o álcool, quando bebia se tornava um
homem muito violento.
 

Não raro os dias que Eduard assistia as cenas em que seu pai chegava bêbado em casa e agredia violentamente a sua mãe. E como sempre... O agredia também.




Eduard passou a conviver desde cedo com a violência dentro de casa, com sua familia.

Ele odiava Norton e a cada dia que se passava sofria e convivia mais e mais
com a violência.




A violência passou a ser uma coisa muito comum na vida de Eduard, desde pequeno.


 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 2 __________________________________________________

 

 

 

Aos 7 anos de idade, Eduard brinca  ainda no sótão de casa.


Ele acha lá algumas facas cirúrgicas,  e encontra um pássaro morto na mesa.

 


Com a faca cirurgica, segura firmemente o pequeno animal e  começa a cortar a pequena e frágil barriga do mesmo,retira os pequenos orgãos do animal e os coloca em um recipiente de vidro.

Se diverte muito estripando o pássaro.


O sangue do bicho parece deixar  Ed.  fascinado.


O menino Sáimon pega gosto no que acabara de fazer...


     - Eduard !!!


Grita Soráia....      Venha aqui querido.


  - O que foi mamãe ?

-Eu e o papai vamos dar uma saída. Cuide bem da casa e não abra a porta para nenhum estranho.

  -Pode deixar mamãe.

 

 


  - Mais o que é isso na sua mão ?


- Não é nada papai...

-Calma Norton; Diz Soráia.   O menino estava apenas brincando.




 -É sangue na mão dele!;  Diz Norton enfurecido
 

-Você se machucou querido ?

-Não mamãe , este sangue é de um pássaro que eu encontrei la em cima.


-Vamos logo porra , não quero me atrasar, deixe esse moleque ai e vamos.


Os pais de Ed. saem.


Ele retorna ao sótão e se livra de todos os restos de pássaro que sobrou da brincadeira.

Aproveitando a ausência dos pais, revira as caixas do seu pai. Caixas antigas que estão a muito tempo ali, mas que Ed. nunca ousou abrir temendo algum castigo do pai.

 

Ele abre todas as caixas e lá ele encontra materiais cirúrgicos, facas e bisturis, máscaras de médico
e roupas brancas de enfermeiro. 

Eram da época que Norton era enfermeiro.

Encontra vários livros de medicina,anatomia do corpo, fotos de autópsias, enfim..

Eduard fica fascinado com as fotos  e com os livros.

Ele ve que os orgãos humanos, os tecidos e o sangue, lembra um pouco o que ele acabara de fazer com o pássaro.


Foi como uma autópsia.


Mais Ed. foi além disso e estripou o animal morto
como o desmontar de algum aparelho eletrônico, desmontou em pedaços o pequeno pássaro.


Ele sai de lá de cima e vai para o quintal da casa brincar.

 Na verdade o que procura é um animal morto, para levar  para o sótão e  abri-lo,  pois isto se tornou a brincadeira favorita dele.

Não encontra  nada, fica meio chateado.


Então ele pega algumas pedras no jardim e as joga para cima e brinca como uma criança normal

e se destrai com a brincadeira.


Ele acerta a pedra no cachorro sem querer.

o cão  morde o braço do pequeno Eduard, que corre chorando para dentro de casa.

Seus pais não estão lá para acudi-lo. Ele para de chorar e lava o ferimento da mordida canina.


Nesse momento Eduard cria um ódio mortal contra o cachorro.

 

 

 


 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 3 __________________________________________________

 

 

 

 

Eduard volta ao quintal, ele olha para o cão com um olhar macabro.

Ele vai até a garagem e lá encontra um machado de lenhador.

Se aproxima do cão e desfere uma machadada violenta e certeira em seu cranio.


Os miolos do cachorro se espalham na grama do jardim.



Os olhos de Ed. brilham fascinados ao ver os miolos do cão.

Isso muda alguma coisa em sua cabeça.


Ele arrasta o animal para a garagem.

Com a faca cirurgica ele abre a barriga do cachorro, revira os orgãos do bicho e corta tendões e artérias. Então retira os orgãos um a um, pega um saco plastico e os coloca ali.


Os restos do animal são colocados em outro saco plástico.  




Ed. corta os restos do cão com o machado, para melhor couber nos sacos.

Deixa os restos no fundo da casa, no quintal, em seguida ele lava a garagem, mas não consegue limpar totalmente todo o sangue.



Norton e Soráia chegam tarde da noite.

 


Eduard ja esta dormindo.

No dia seguinte,Soráia sente falta do cão.

Ela nota que tem sangue seco no chão da garagem... 

 


E o fedor de carniça faz acordar o marido mais cedo.
 


Norton vai até os fundos da residência. Ele olha os sacos plásticos com sangue. Quando o abre, vê o pobre cãozinho da familia morto, retalhado em pedaços.





 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 4 __________________________________________________

 

 

 

 

Enfurecido, Norton corre até o quarto de Eduard  mas não encontra o garoto.
Soráia pergunta: 

 - O que foi Norton, o que aconteceu ? Porque esta com essa cara ???

   Norton responde :
  -  Esse moleque passou dos limites, olha o que ele fez com o cachorro.



Soráia chora ao ver os pedaços do cachorro dentro da sacola.

Ela diz:


-Norton não acredito que o Ed. seria capaz de fazer isso ...

 

              .........

 


  -Pois ele fez  ! E agora sumiu, se eu pego esse pia eu mato ele entendeu ??  Mato ele !!




- Calma Norton, ele deve estar no sótão ..Ja olhou lá ??





 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 5 __________________________________________________

 

 

 

 

 

 

Norton abre o alçapão que da acesso ao sótão, ele sobe com metade do corpo no teto e grita o nome do filho:

- Eduard, apareça seu moleque dos infernos ! ; Eu sei que foi você que matou o cachorro. Vou te dar uma surra que você nunca mais ira se esquecer para o  resto de sua vida!  Seu idiotinha saia logo dai, eu vou subir até ai  e...

 

Antes mesmo de completar a frase, Eduard acerta o rosto de Norton com o machado.

 

 


Norton despenca do sotão direto no chão da lavanderia..
Ele ainda esta vivo e agonizando.


Eduard desce e corta a cabeça do seu pai com o machado.


Soráia chega e não acredita no que vê :
O pequeno Ed... De 7 anos de idade retalhando o próprio pai com um machado.

Ela entra em choque.

Ele vem em sua direção arrastando o machado no chão...

Seu olhar é assustador, parece estar dominado por outra personalidade.
 


  Sorri friamente para ela e diz:

- Adeus mamãe !


Ele mata  Soráia friamente, como fez com seu pai e seu cachorro.

Ed. sente prazer no que fez .

Seus limites vão além do certo ou errado.

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 6 __________________________________________________

 

 

 

  Passadas algumas semanas, um cheiro forte de carne em decomposição chama a atenção de um vizinho.


A casa da familia Sáimon fica em um distrito distante, é meio isolada e tem apenas 2 casas ao redor.


Em uma dessas casas mora o velho Bill.


Bill estava passando pela propriedade da familia Sáimon.

Ele parou em frente a residência.

Um cheiro forte de carniça avançou em suas narinas.

Intrigado com o silêncio e o fedor, Bill bate na porta dos Sáimons....

- Norton você esta  ai ??   Me atenda seu bêbado maldito...

 



O silêncio e o fedor apenas...

 

 



Bill ouve  um ruido de tábuas vindo do interior da residência.

 

-Soráia é você ???  grita Bill..


Sem mais respostas Bill resolve entrar na casa...

Um fedor insuportável de  carne em decomposição.

Bill olha a casa comodo por comodo, a casa está cheia de sangue, por toda a parte.


Quando chega até a lavanderia, se surpreende:

Ele vê o corpo do Norton sem a cabeça, os orgãos foram todos retirados. A cena é sinistra, chocante.

Dentro do tanque de lavar roupa, a cabeça de Norton repousa em decomposição.

Bill se direciona até a cozinha.

Lá ele encontra o corpo de Soráia meio aberto. Ao lado do corpo alguns materiais cirúrgicos e livros de anatomia.


Então ouve um barulho no forro da casa, em seguida ouve ruidos na lavanderia...


Bill corre até lá e tudo oque  ve é um menino com largas roupas brancas de enfermeiro tingidas de sangue.
 

 


- Oque aconteceu Eduard ? 

 


O menino segura um machado e parte em direção ao velho

- Não me chame de Eduard...        Me chame de Doutor !

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 7 __________________________________________________

 

 

 

 

Eduard corre em direção ao Bill com o machado, para tentar mata-lo.


Bill consegue tirar o machado das mãos do menino, e acerta-lhe um soco bem forte, desmaiando -o.
Ele amarra o menino no jardim da casa.


A policia chega e os repórters também, junto deles um bando de curiosos.


Aquele dia ficou marcado para sempre por toda a história da pacata cidade.


O pequeno Eduard é levado para um hospital psiquiátrico..

 


  Virou notícia em todos os jornais e revistas do país e do mundo a chacina da familia Sáimon cometida
por um menino, de apenas 7 anos de idade.

 

 

 


O ano é 1955.  

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 8 __________________________________________________

 

 

 

 

 

 

Passaram- se 30 anos. Eduard passou 30 anos no Hospital Psiquiátrico Santa Bárbara. Durante todos esses anos foi Submetido a  vários testes, tanto físicos quanto psicológicos.

 

Abril de 1964...

 

Ele estava no pátio, foi seu primeiro contato com os outros pacientes do hospital psiquiátrico, ainda não teve contato com outras pessoas desde o dia em que foi internado.

 Passados 9 anos sem contato direto com outras pessoas, os clínicos que acompanhavam o desenvolvimento de Ed. resolveram adiantar em prática tal experiência ...

Resolveram tentar reabilitar Eduard para o convívio com outras pessoas, pois passados todos estes anos, Ed. não se mostrava muito agressivo,  gostava de se dizer médico e gostava que fosse assim chamado de "Doutor".

 

Ele olhou para os colegas no pátio e ficou calado. Um dos doentes mentais resolveu se aproximar e perguntou seu nome....

 Me chame de ... "Doutor Eduard"  ...         e qual é seu nome ?

O doido não disse o nome... apenas deu uma gargalhada  e repetiu o que Ed. disse...   :

- "Me chame de  Doutor.. HAHAHAHA...  Me chame de Doutor HAHAHAHAHA...."

 

Eduard Olhou para o colega de hospício com um olhar macabro.

Se levantou e pegou o doido pelo pescoço e o jogou no chão,  e começou a bater sua cabeça violentamente contra o solo.

Ele batia tão forte que era possível ouvir o crânio do coitado se partindo a cada nova pancada contra o piso de concreto.

A  cabeça dele, a um certo ponto não resistiu e abriu-se ao meio, expondo toda a sua massa cerebral que se espalhou pelo chão. O corpo se debatia em espasmos pós morte..

 

Eduard pega um pedaço do cérebro do colega e fica fascinado com aquilo..  Ele come parte dos miolos de sua vitima. Mas logo os guardas o dominam e dão-lhe uma alta dose de tranquilizantes.

 

 

Foi preso em uma sala especial e nunca mais pode ter contato com os outros pacientes do hospital após este incidente.

 

Assim permaneceu por mais 21 anos.

 

A sala de Ed. está repleta de desenhos , todos feitos por ele. Os desenhos eram figuras de pessoas abertas ao meio e um médico retirando todos os orgãos delas..   Corpos dilacerados.

 

 

O ano é 1985.

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 9 __________________________________________________

 

 

 

 

Um Incêndio na cozinha de Hospital Psiquiátrico faz com que todos os funcionários saiam da Ala B  Setor 8 do hospital.

É quando se ouve uma forte explosão de botijão de gás..

 Alguns funcionários do hospital avistam um homem correr dali.

 

Esse homem é Eduard Saimon ...

 

 Com a explosão da Ala B , um grande buraco se abriu na parede da cela do Dr.    

Ele escapou , mas não conseguiu passar pelo portão...

 

Se escondeu na área de manutenção do Hospital. Armado com uma chave de fenda, Ed. rende um médico. Após 21 anos sem dizer nada Pronuncia a primeira palavra :

 

 - Como vai, meu caro colega Doutor ?

 

Eduard enfia a chave de fenda no olho esquerdo do médico. Em sequência da vários golpes no crânio do médico psiquiatra dando fim a sua vida.

Ed. rouba a roupa do médico e foge do hospital.

No meio da correria por causa do acidente na Ala B ele passa despercebido entre os funcionários do hospital.

Depois do ocorrido, um dos médicos do hospital, Dr. Horácio encontra o colega morto na área de manutenção e serviços do setor 8.

O corpo do amigo estava desfigurado com várias perfurações no cranio.  Dr. Horácio encontra uma chave de fenda enterrada no peito do seu colega.

 

Os funcionários do hospital constam que um paciente conseguiu escapar, e o nome desse paciente seria Eduard Sáimon, conhecido por todos como "Doutor Sáimon".

 

O incêndio foi controlado, e por sorte ninguém se feriu, apenas a vitima asassinada por Ed.


Horácio além de médico é também chefe do hospital Santa Bárbara.

Inconformado com a morte do amigo, vai até o portão principal do hospital e pergunta :

- Como ele escapou ?

O chefe de segurança diz :

 - Ele estava vestido de médico, foi fácil sair sem levantar suspeitas....

 

 

 Dr. Sáimon consegue  escapar   ...   

 

A  essas horas ele ja esta muito longe dali.

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 10 __________________________________________________

 

 

 

Depois de andar muito, o Doutor se esconde em um matagal.

Em uma rodovia, uma mulher passa de carro. Ele pede carona, dizendo que seu carro quebrou a poucos metros adiante.

No carro ele agride a mulher dizendo que se ela não o levar para onde ele quiser ir, ira mata-la.

Ed. ainda se recorda do endereço de sua casa.

Ele finalmente retorna ao lar, depois de 31 anos..

A casa esta a mesma coisa, tem um grande matagal que tomou conta de tudo, e ,dos poucos vizinhos que tinham, apenas uma casa ainda esta lá.

É a casa do velho Bill.

O Doutor obriga a mulher a entrar na casa com ele.

Rouba o carro dela  e a mata estrangulada.

Sobe no sótão, e todo o material... (facas, bisturis, pinças, máscaras, luvas, serras etc...) ; Por incrível que pareça ainda estão lá.

Ele abre a moça ao meio, e come seu coração. retira seus orgãos e os coloca na geladeira.

Fica fascinado pois a casa ainda tem luz e água. Sem comida e sem dinheiro, Sáimon come o corpo da mulher.



Ela dura alguns dias ....

 



Entediado ele sai de casa a noite. Vai até a casa do velho Bill.  (o velho ainda existe..)

Sáimon vai até o celeiro do velho e lá encontra uma tesoura de poda. Ele bate a porta de Bill.

Sem o reconhecer ,  Bill pergunta:

- O que você quer aqui forasteiro ? ..   Bill esta segurando uma espingarda cal.12  .

O Doutor se afasta pedindo desculpas e diz ser novo ali na região.

Bill pergunta se é ele que esta morando na casa da antiga familia Sáimon.

Antes mesmo de responder , Ed aproveita um momento de distração do velho e o golpeia com a tesoura, desarmando-o, e; Em seguida pergunta:

-  Não lembra de mim velho ???   ..    

 

Eduard consegue tomar a arma e atira no peito do velho Bill, que não morre na hora.

Ele sussurra no ouvido de Bill:

- Sou eu ...  "O Doutor"..  !!!

Eduard tirou o roupão de médico e vestiu uma roupa que era de seu pai. Arrasta o velho Bill para casa, e o enforca na sala, deixando o corpo ali pendurado por vários dias.

O corpo estava podre, então Ed. se livrou da carniça humana jogando o velho no rio.

Ao voltar para casa, vê um homem andando no quintal. pelo uniforme se deduz que é funcionário da companhia de energia elétrica.

Ed. convida o homem a entrar.

O eletricista senta- se no sofá e repara na zona e no cheiro de podre que ali se apresenta.

Mas antes mesmo de citar a situação, Eduard chega sorrateiramente por traz do homem, e encosta o cano da espingarda em sua cabeça. Antes mesmo do homem se virar para traz, Ed. atira, explodindo a cabeça do eletricista, expondo seus miolos por todo o chão da sala.

 



 Ed. esquartejou o corpo, e se alimentou dele por vários dias.

 

 

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 11 __________________________________________________

 

 

 

 

Um homem andando na mata, nas proximidades da casa do Doutor.

O homem cai e se machuca, quebra o braço e grita por socorro...

 Eduard aparece e se diz médico para o homem, ajudando-o, e dizendo- lhe o  seguinte:

- Venha comigo, eu tenho os materiais necessários para fazer-lhe os primeiros socorros.

 

 

E convence o cara a entrar na casa, aplica uma injeção dizendo que seria um anestésico para dor, mas na verdade  o Dr. aplicou foi um tranquilizante forte usado em animais, apagando o pobre homem...

 

Quando acorda, se vê de pés e mãos amarradas, entra em pânico, a dor no braço quebrado é insuportável. O Doutor fica sentado em frente ao homem amarrado e amordaçado.

 

Eduard segura uma faca de caça e sorri para sua vitima.

 

Ele enfia a faca no braço quebrado do homem, que não pode gritar pois esta amordaçado.

O Doutor corta o membro fraturado do cara com a faca, depois com uma faca maior, ele decepa o braço quebrado, arrancando o membro por completo. O homem desmaia de dor.

 

Acorda novamente na mata, com o corpo cheio de gasolina. Sem a mordaça, o homem grita em desespero e dor, clamando por sua vida...

Mas Eduard acende o fósforo e com olhar cruel e sádico ele sorri para o homem  e o ateia fogo.

 

E assiste o homem gritar enquanto morre com seu corpo ardendo em chamas.

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 12 __________________________________________________

 

 Passados alguns meses, Eduard comete vários assassinatos, todos de forma horrenda e cruel, foram 26 no total.

A policia descobre o paradeiro do assassino fugitivo do Hospital Psiquiátrico Santa Bárbara.

 

 

 

Um agente da lei se aproxima da casa do Doutor...

 

Esta acompanhado do seu parceiro Jhon.

 

 

 

O agente abre a porta e entra na casa , mas logo é recebido com um disparo no rosto.

O doutor estava no sótão da casa, vestido de médico.

 

 

Desce e rouba a arma do agente morto e desfigurado pelo disparo.

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 13 __________________________________________________

 

 

 

 

 

Jhon desce do carro após ouvir um disparo, corre até a casa mas é morto antes mesmo de por os pés no interior da mesma.

O  Dr. coloca o corpo de Jhon em cima da mesa da cozinha, e o abre ao meio.

O mesmo que fez com Soráia, sua mãe.

Sáimon retira os olhos de Jhon.

 Em seguida corta a sua lingua.

Depois arranca os orgãos um a um , como fez com um passaro a 31 anos atraz...

 

 

Com o auxilio dos livros de medicina do pai, Eduard marca os orgãos que foram retirados das vitimas e os coloca em vidros, copos e sacolas e guarda tudo na geladeira.

Ed.  encontra uma página com um desenho de uma cabeça de um homem enfiada na ponta de uma espada e relembra toda sua infância...

Ele acha em meio aos entulhos na casa, uma haste de metal...; Corta a cabeça de Jhon e  enfia na ponta da haste.

Vai até o jardim e coloca a haste ali na frente da casa, para que todos pudessem apreciar a cabeça do agente Jhon.

Na boca de Jhon , que esta sem a língua, Eduard coloca ali a página com a sua figura favorita.

Retorna ao interior da casa e espalha gasolina por tudo..

 

O doutor ateou fogo na casa  e fugiu vestido de médico...

 

 

 

E leva com ele as facas cirurgicas e as armas dos agentes mortos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 14 __________________________________________________

 

 

 

 

Varias viaturas da policia vão até a residência do Dr. e tudo o que encontram é a casa destruída ardendo em chamas..

 

 

 

E a cabeça do agente Jhon Green Morry\'s ...  enfiada em uma haste de metal....

 

 

 

A cena era sinistra e terrível, alguns policiais ficaram chocados ao ver tamanha a brutalidade.

A capacidade de um psicopata de fazer aquilo com tanta naturalidade e tanta frieza..

 

O capitão  Blasdéll se reune com sua equipe. 

- Atenção homens..  Este monstro ja não esta mais aqui. Tenho quase certeza que ele se evadiu pela mata... 

 

 

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

6.6.2006 - CAPITULO 15 __________________________________________________

 

 

 

 

 

Blasdéll e seus homens entram na mata  a procura do Doutor Sáimon.

 Eles tem cães farejadores e a guarnição total é de 28 homens; Policiais treinados e armados, a procura de um "monstro" psicopata, que foi autor de mais de 30 assassinatos até o presente momento.

 A guarnição de Blasdéll passa horas mata a dentro. E encontram uma casa simples e um tanto isolada.

Existem ali algumas plantações de frutas e hortaliças, é uma pequena horta, e tem alguns animais por ali também.

Os indicativos são o sufuciente para que Blasdéll chegue a conclusão que vive, ou vivia, uma familia ali.

Ele reune os homens e os mantem em posição para invadir a casa.

Com cuidado, porem com muita rapidez e agilidade, eles invadem a casa e, mais uma vez...

Se surpreendem com o que encontram:

Lá existia sim uma familia, mais ja estavam todos mortos.

A cena era a pior de todas:

Na sala, um homem branco , aproximadamente uns 43 anos, esta com sua face esmagada para dentro.

No seu peito um corte onde deixou expostos todos os seus orgãos.

 Logo em seguida, em um dos quartos da residência esta uma mulher jovem de aproximadamente 28 anos.

Ela está sem parte de sua nuca, e sua barriga tem um enorme rombo, suas tripas e vísceras estão a aproximados 4 metros distantes, porém ainda ligadas ao seu corpo.

E no quarto seguinte, a pior de todas as cenas.

Um menino de aproximadamente 9 anos de idade esta  enforcado em um beliche.

No peito do menino está enfiada uma faca cirurgica, o que para Blasdéll não deixa duvidas; Foi o Doutor Sáimon o responsável pela morte da pobre família.

 

 Fora da residência, ouvem-se disparos de arma de fogo.

Blasdéll corre para fora e  encontra 2 de seus soldados alvejados e ja sem vida.

Foi quando uma forte explosão fez com que Blasdéll fosse arremessado ao solo; foi a casa que acabára de explodir, matando todos os policiais que estavam em seu interior.

Blasdéll vê um homem de branco correr em direção ao matagal; E reune os poucos soldados que sobreviveram a explosão da casa; formam-se grupos.

Cada grupo de 3 homens ficaria responsável por seguir em uma direção.

O grupo do capitão Blasdéll seguiu na direção noroeste da mata, pois foi esta a direção em que o homem de branco foi visto fugindo...

 

 E então começa a anoitecer..

 

A cada hora que se passa, o capitão é informado sobre uma baixa em sua guarnição, seus homens estão sendo mortos um a um.

Blasdéll e seu grupo de mais 2 homens seguem pistas em meio a densa e escura floresta a procura do Doutor Sáimon.

                                                              

É  quando um disparo atinge o peito de um dos soldados, o outro soldado corre para acudir e tentar salvar a vida do companheiro.

Blasdéll atira contra o Doutor, que por sua vez foge, começa então uma perseguição.

 

O dia amanhece..

 

Blasdéll se depara com uma grande caverna e se aproxima com cuidado, existem ali algumas pegadas no solo.

O pensamento de Blasdéll é um só : " É aqui que esta o monstro... "  .

Nesse momento ele ve um vulto branco e sem pensar muito ele atira e corre para o interior da caverna.

Ao ver os rastros de sangue Blasdéll murmura :  "Sangra porco maldito ! " ...

 

Chegando a uma ala da caverna, onde a luz do sol de um inicio de manhã do dia 22 de junho de 1986 reflete na agua azul e cristalina de um belo lago subterrâneo.

Ao fundo, um homem vestido de médico esta caido ao chão.

 

O capitão se aproxima com cuidado e diz :

 - Olha só isso...    Doutor Sáimon..       ...          Hoje é seu fim !!!!

 

  Ahh ..   Eu ainda lembro desse seu olhar Eduard; É o mesmo olhar de um menino de 7 anos que eu conheci a muitos anos atraz...  que matou toda sua familia.     Não foi ?

 

O Doutor apenas sorri para o capitão com olhar de deboche. 

O capitão se aproxima com a arma em punho e diz

 

- É..  no fundo eu tenho pena de você Eduard ...   Mas quero que saiba. Você é um monstro, matou mais de 50 pessoas...  Não merece morrer aqui, neste lindo lugar.

 

Blasdéll descarrega sua pistola no Doutor.

 

Foram  13 tiros.. Que botou fim na  vida deste monstro psicopata que assassinou mais de 50 pessoas de uma forma brutal e violenta, apenas por diversão.

 

E assim termina a história de Eduard Sáimon.

 

 

 

Mais conhecido como:

 

 

DOUTOR SÁIMON

 

 

 

  

 

 

                                                                                                                                                                                 by: Guilherme Marx

 

 

 

 

 

 

Comentários (0) :: Permalink

Sobre Mim



«  August 2017  »
MonTueWedThuFriSatSun
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031 

Links

Home
Perfil
Arquivos
Amigos
Email

Amigos

jeferson9