JOÃO DOMINGOS SOARES DE OLIVEIRA

PAGAMENTO

11:06 AM, 27/7/2014 .. 0 comentários .. Link

CORREÇÃO, DIAGRAMAÇÃO E ISBN PARA LIVRO

 

 



BIOGRAFIA

12:33 PM, 18/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
DADOS PESSOAIS:
 
João Domingos Soares de Oliveira. Nascido em 28 de janeiro de 1968. Natural do Município de Capitão Enéas, Minas Gerais, Brasil. Estado civil Casado com Otília Marques de Sousa Oliveira. Filhos: Jussara, Jonas e Camila.
 
 
 
FORMAÇÃO:
 
Doutorado em Teologia, Língua Portuguesa, Metodologia Científica, Psicologia, Contabilidade, Conhecimentos Pedagógicos, Administração Empresarial, Oratória,
Informática, Grafologia.
 
 
 
 
RELIGIÃO:
 
Evangélico.
 
 
FUNÇÃO:
 
Membro da CGADB e da COMADENG, Pastoreia igrejas desde 1996; Diretor da Escola, Teológica, Novo Amanhecer; Presidente da FAM – Faculdade Manancial.
 


FORMAÇÕES

09:57 AM, 18/6/2013 .. 0 comentários .. Link


 

Quando eu trabalhei em Jaíba senti-me a necessidade de estudar. Ainda não tinha concluído e nem o ensino fundamental. Então, através de um provão, conseguir-me o histórico da quarta série. Até hoje nunca fiquei tão alegre e entusiasmado com um documento de formação, como aquele da quarta série. Ele foi o primeiro. Então me matriculei em uma escola de educação de jovens e adultos. Demorei-me nove anos para concluir o Ensino Médio.

Então, comecei a fazer cursos, e fiz:

 

1.1.          O CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA (Pela Permanente Sião),

O Curso de Bacharelado em Teologia (pelas: ITBRAS, FEST, e FAERP (Faculdade entre Rios do Piauí),

1.2.          O CURSO DE MESTRADO EM TEOLOGIA (pelas: UNITESP e SETEB),

1.3.          DOUTORADO EM TEOLOGIA (pela SETEB),

1.4.          LETRAS (pelo Ensino Nacional),

 

1.5.          PSICOLOGIA (pelo Ensino Nacional),   

1.6.          Oratória,

1.7.          Contabilidade na Prática,

1.8.          Informática,

1.9.          Grafologia,

1.10.      Psicologia Criminal.

 



LEITURAS BÍBLICAS

09:54 AM, 18/6/2013 .. 0 comentários .. Link

 

     O mais importante para mim foram as minhas leituras bíblicas. Li a Bíblia Sagrada por várias vezes. Veja:

 

1)  Em Janaúba: de 10/ 04/ 1995 a 11/04/ 1996. Período: 1 ano e um mês;

2)  Em Janaúba: de 14/ 04/ 1996 a 23/ 07/ 1997. Período 1 ano 3 meses e 9 dias;

3)  Em Riachinho: de 18/ 12/ 1997 a 19/ 01/ 1999. Período: 1 ano, 1 mês e 1 dia;

4)  Em Riachinho: de 22/ 04/ 1999 a 25/ 04/ 2000. Período: 1 ano, 3 meses e 3 dias;

5)  Em Jaíba: de 26/ 04/ 2000 a 14/ 10/ 2001. Período: 1 ano, 5 meses e 18 dias;

6)  Em Jaíba: de 16/ 10/ 2001 a 15/ 10/ 2004. Período: 2 anos, 2 meses e 29 dias;

 

7)  Em Natanael: de 21/ 01/ 2004 e li a Bíblia Sagrada até Salmos. Não cheguei terminar os Salmos. 

 

E continuo a Ler e a estudar a Palavra de Deus, não por sequência. Não consigo viver sem estar estudando algo. E aprendi que preciso estudar enquanto viver.

Caro leitor, nunca se sinta sábio o bastante, sempre se sente a necessidade de saber mais um pouco. Porque não há ninguém no mundo sábio o suficiente, que não precisa aprender um poucomais.

 



LIVROS ESCRITOS

09:39 AM, 18/6/2013 .. 0 comentários .. Link

 


Para Honra e Glória do Precioso Nome de Jesus Cristo, escrevi alguns livros. Confira:

 

1)Lar Manancial De Bênçãos,

2)   Distância e o Tempo não Podem Apagar um Amor,

3)   Dicionário Bíblico Teológico,

4)   Os Segredos do Poder

5)   Degraus da Prosperidade,

6)   Maior Conquista do Ser Humano,

7)   CAPED,

8)   Teologia Sistemática,

9)   Ungido de Deus,

10)            Que Farei?

11)               As Aventuras de Jonas,

12)               Revelações Divinas Que Mudarão A História Da Tua Vida,

13)               Doutrina Acerca Das Ultimas Coisas,

14)               Obreiro Dado por Deus,

15)               Apóstolo Paulo,

16)               Teologia do Antigo e do Novo Testamento,

    17)          O Apóstolo João,
    18)       Redação Literária,

19)        E o Espírito Volte a Deus.

E outros

 

 



MINISTÉRIO, CONSAGRAÇÕES E IGREJAS PASTOREADAS

01:42 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link

 

         

Apesar de que, ainda novo convertido, mas eu já tinha dirigido o Bairro Novo Paraíso e já estava dirigindo a comunidade do Oriom, Município de Capitão Enéas, campo de Montes Claros.

Uma vez, na referida comunidade, sonhei que me estava em pé, a beira de um imenso e lindo lago. Onde que havia uma bela praia e o lago tinha ondas, como mar, as suas águas eram cristalinas e delas subiam um resplendor. Era incrível aquele cenário.

Enquanto eu olhava e admirava o lago, observei que vinha uma canoa em minha direção. Esta canoa vinha do meio do lago. E parou próximo a mim. Nela havia três pessoas, a saber:

 

a)     Um Varão que remava a canoa, não dava para discernir como O era, eu só sei que Ele estava lá remando. Eu me julgo ser Jesus Cristo;

b)    O pastor Anselmo Silvestre. Na época ele era o primeiro vice-presidente da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil), e Presidente da COMADEMG (Convenção das Assembleias de Deus no Brasil de Minas Gerais) e pastor presidente das Assembleias de Deus em Minas Gerais.

c)     E o pastor Paulo de Oliveira Santos. O meu pastor regional. Na época ele era o pastor regional do campo de Janaúba.

Eles não desceram da embarcação. E o pastor Anselmo Silvestre olhando para mim, disse: “Sobe aqui”. Então, subi. E o Varão que remava, começou a remá-la de volta para o meio do lago. Assim,chegamos a uma plataforma que havia quatro cadeiras e um púlpito.  Esta plataforma, apesar de que, não era de terra e nem de areia, estava como uma pequena ilha.

Então, a canoa se estacionou próxima à plataforma. O Varão desceu e se assentou na última cadeira; em seguida, o pastor Anselmo desceu e se assentou na penúltima cadeira; logo após, o pastor Paulo desceu e se assentou na antepenúltima cadeira. Continuei na canoa. E o pastor Anselmo olha para mim e disse: “Assente-te aqui conosco”. Assim, desci-me da embarcação e me assentei na cadeira que estava vazia.

Em seguida acordei. E certifique que se tratava de um sonho profético.

Alguns meses mês depois, o pastor Paulo anuncia a minha consagração ao presbitério.

 

1.   CONSAGRAÇÕES

 

Não fui separado ao diaconato. Fui consagrado ao Presbitério dia vinte seis, de outubro de mil novecentos e noventa e sete. E fui consagrado a Evangelista dia dezoito de setembro de dois mil e seis.

 

2.   IGREJAS PASTOREADAS

 

Nunca pedi para fazer, ou ser nada na igreja. Mas aprendi-me que quem tem a chamada para fazer a Obra de Deus, os afazeres sagrados o persegue.

Então, em obediência a Deus, através, dos meus superiores fizemos várias mudanças missionárias. Veja:

 

2.1.      NOVO PARAÍSO

 

Eu tinha uns três meses de convertido, quando iniciei dirigir a congregação do Bairro Novo Paraíso. E dirigir esta igreja acerca de um ano. Eu era voluntário.

(um ano)

 

 

2.2.      ORIOM

 

Depois, como voluntário, fui dirigir a igreja na comunidade de Oriom, município de Capitão Eneias MG, campo de Montes Claros MG. Recebemos aquela igreja com duas irmãs, trabalhamos ali por um ano e três meses. E entregamos a igreja com cinco irmãos, e uma casa pastoral e o templo levantado e coberto. Faltando os acabamentos.

Depois retornamos para Janaúba e ficamos por um mês.

(um ano e três meses).

 

 

2.3.      CATUTÍ

 

 

A igreja sede, em Janaúba, estava com pastor recém-chegado, o pastor Paulo de Oliveira Santos, que sucedeu o pastor Valdivino Eugênio.

E quando foi no dia sete de julho de mil, novecentos e noventa e sete, fomos enviados, de tempo integral, para a cidade de Catutí – MG.  Pastoreamos aquela igreja por três meses.

(Período: 07/07/1997 a 07/10/1997: Tempo: três meses).

 

2.4.      RIACHINHO

 

Estávamos trabalhando para Cristo e estava uma bênção em Catutí. Mas uma congregação a doze quilômetros a norte de Catutí, a congregação do Riachinho que era um trabalho maior, a qual, o seu obreiro desistiu de continuar pastoreando. Então, mesmo contra a vontade dos irmãos da igreja onde nós estávamos, fomos enviados para Riachinho no dia sete de outubro de mil, novecentos e noventa e sete.Pastoreamos Riachinho por um ano, sete meses e quinze dias.

Certa tarde a minha esposa saiu para visitar a uma irmã. Chegando lá ela encontrou a sua mãe (a mãe desta irmã). Esta senhora era bem idosa e há três anos ela não andava e nem enxergava. E para queos cuidados, para com ela, não pesassem para um só filho, a idosa ficava um mês na casa de cada um deles. Então, a minha esposa a evangelizou, ela converteu se ao Evangelho, aceitando a Cristo como único e suficiente Salvador. No mesmo dia, fui conhecê-la orei em seu favor, ungi-la com óleo. E no dia seguinte, ela amanheceu enxergando e andando, para honra e Gloria do Nome Santo de Jesus. Este sinal sobrenatural, fora tão grande, de maneira que abalou aquele lugar, todos comentaram por muitos dias este fato ocorrido.

Depois ela fez questão de voltar a morar sozinha.

(Período: 07/10/1997 a 22/05/1999: Tempo: um ano, sete meses e quinze dias).

 

2.5.      JAÍBA

 

 

Estava indo super bem em Riachinho, até que houve um espírito de divisão, em alguns irmãos, na igreja da cidade de Jaíba. Eles eram uma minoria. Atualmente, nenhum deles se encontra lá.  E para reforçar ministério da igreja o pastor Paulo nos enviou para lá no dia vinte dois, de maio de mil, novecentos e noventa e nove. O pastor local era o pr. Francelino José de Oliveira. E eu era o seu auxiliar.

A batalha na Jaíba não foi fácil, mas Deus nos deu a vitória.

Em primeiro lugar, quero que vocês saibam que os irmãos na igreja da Jaíba são bons, hospitaleiros, companheiros e são uma bênção. Muito eles me ajudaram. Hoje desfruto de uma perfeita amizade com cada um deles. Foi esta igreja que me inspirou e que me incentivou a estudar. Eu nasci para uma série de fatores, mas, principalmente, para ensinar a Palavra de Deus, ministério que nasceu em mim, quando eu estava na igreja da Jaíba. 

 Os rebeldes eram uma minoria. Mas Deus tratou seriamente com cada um deles. Com base nisto aconselho a todos os meus leitores:“nunca te levante contra a direção da tua igreja”. Porque Deus não pega leve com os rebeldes.

Uma das nossas queridas irmãs foi acometida por um Acidente Vascular Cerebral (AVC) um derrame cerebral. Consequentemente, davam-lhe banho na cama, ela não falava, não movia com uma das pernas, e não movia com um dos braços e mal se alimentava. Por várias vezes fomos ali visitá-la, orávamos por ela. Naquela mesma semana, cheguei ali por um acaso (assim eu julgava), fui informar algo a minha esposa que estava ali, com dois de nossos filhos, que eram pequenos. Ficamos ali por alguns minutos, na nossasaída, oramos mais uma vez, em prol da irmã: eu, minha esposa e os nossos dois filhos, o menino tinha quatro anos de idade e a menina tinha cinco. Nesta oração ungi-la com óleo e retornamos. A única coisa que percebi é que ela chorava muito.  À tardizinha eu passei lá novamente, e para a minha surpresa, ela estava lavando louças. Então a indaguei: -“minha irmã, como é que a senhora está lavando louças?!” Então, ela vira para mim muito emocionada e diz: - “pastor, depois que o senhor, a irmã Otilia e as Crianças terminaram de orar, eu vi um clarão, de maneira, que tudo ficou muito mais claro ainda, e vi no meio da sala um homem de vestes brancas, que virando para mim, apontou e disse: Está curada. Naquele mesmo momento, sentir a minha perna e o meu braço e percebi que eu poderia falar, mas, todavia, só conseguir chorar”.

Quando ela viu o referido Clarão era aproximadamente ao meio dia. E seus filhos tinham a colocado na sala devido à melhor ventilação, ela estava acerca de meio metro da porta de saída. E isto aconteceu no Norte de Minas Gerais, poucos dias antes da Estação da Primavera, o céu não estava nublado e a temperatura atingia próximo dos trinta e cinco graus Centígrados. Com isto pude ter a ideia do que Saulo de Tarso viu chegando a Damasco (Atos 9).

A partir de então, esta irmã saiu para as igrejas e para os rádios, testificando do quanto o Senhor tens feito em seu Favor.

Trabalhamos na igreja da Jaíba dois anos, oito meses, e treze dias.

Jaíba cidade situada às margens do Rio Verde Grande, a setenta e cinco quilômetros ao noroeste de Janaúa. Naquela época Jaíba já tinha iniciado, recentemente, a se desenvolver. Hoje ela é uma das cidades mais importante do Norte de Minas. Em seu município há o maior projeto de irrigação da América Latina.  É uma das cidades que mais cresci em todo Brasil.

(Período: 22/05/1999 a 09/02/2002: Tempo: dois anos, oito meses e treze dias).

 
 

2.6.  DESENVOLVIMENTO DO NORTE DE MINAS

     

      Até as décadas de setenta e oitenta, o Norte de Minas era considerado como um dos lugares mais pobres do mundo. Era considerado como a África. Mas com o projeto de irrigação do Município da Jaíba e do Município de Janaúba, o Norte de Minas não se encontra mais nesta situação. Hoje a região é produtiva e muito forte na fruticultura e pecuária. São exportadas muitas toneladas de frutas e carnes da região, em apreço. Há emprego para quem queira trabalhar. E o comércio sofreu um grande avanço. Mas a mão de obra ainda é barato.

Além disto, Montes Claros, a maior cidade do Norte de Minas, cidade polo, que é a nossa segunda capital se industrializou grandemente. 

 

 

2.7.     VERDELÂNDIA

 

Para garantir a nossa chamada, Deus mais uma vez nos abençoava naquela região. Mas o mesmo obreiro que estava em Riachinho, antes de mim, e que já estava na cidade de Verdelândia, e novamente, abdicou a direção da igreja. E desta feita a igreja era recém-nascida. E como nós estávamos ali pertinho, fomos enviados para lá dia nove de fevereiro de dois mil e dois.

Naquela época não se tratava de tarefa fácil trabalhar em Verdelândia. Era muitos roubos, furtos e assassinatos. E, todavia, não fomos bem recebidos, visto que, a religião popular, ali, naquele tempo era o candomblé. Nas sextas feiras quase não dormíamos a noite devido os sons dos tambores por todos os lados.

Até mesmo nós fomos vítimas de meliantes. Nós tínhamos duas bicicletas, para fazermos as vizitas. E a nossa recepção fora o furto delas. Mas fui atrás das mesmas e conseguir resgatá-las. Íamos para os cultos e quando chagávamos a nossa casa estava arrombada.

Víamos dos cultos fora à noite e encontrávamos corpos recém-assassinados na estrada.

Um dia uma irmã membro da igreja, chegou a nossa casa, chorando muito, com sua filha, de poucos meses de idade, nos braços, e com duas caixas de gardenais (medicamento para epiléticos). Cada caixa continha dez frascos com acerca de cem comprimidos cada um. A criancinha nascera com epilepsia. 

Esta irmã nos pediu que nós orássemos por sua filha e que eu a ungisse-a com óleo. E assim, fizemos. A irmã teve fé o suficiente, e achou por bem, não dá-la nenhum comprido. E, todavia, Deus honrou a fé e hoje (em 2012) a menina já está entrando para adolescência, e estar totalmente isenta daquele terrível problema.    

Quando chegamos a Verdelândiae não havia nem quem nos recebesse. Foi colocado a nossa mudança em frente da casa e não tinha ninguém para nos ajudar colocá-la dentro da mesma. Mas quando mudamos de lá, não dava nem para andar dentro salão, nos momentos de culto, devido à quantidade de gente.

Ficamos nesta região por um ano, dois meses e dezoito dias.

(Período: 09/02/2002 a 27/04/2003:Tempo: um ano, dois meses e dezoito dias).

 

2.8.  COMUNIDADE NATANAEL

 

Cumprindo nossa missão em Verdelândia fomos enviados para a comunidade de Natanael. Chegamos à referida comunidade dia vinte sete de abril de dois mil e três, às dezoito horas e vinte minutos (Horário de Brasília).

Nomes:A Comunidade Natanael, tem ainda outros nomes, a saber: Povoado Natanael, Pé da Ladeira e Vêu.

Localidade:Esta comunidade é Município de Rio Pardo de Minas e situa-se a quarenta e dois quilômetros da sua sede municipal, ou, aproximadamente, setenta quilômetros a leste de Porteirinha.   

Panorama:Trata-se de uma região de Serrado, onde há muitos riachos e lindas cachoeiras. A sua temperatura é muito baixa em relação ao Norte de Minas. Chove mais do que o os outros lugares do Norte Mineiro e no inverno e no outono garoa bem forte, de maneira que, corre água. Alguns chegam a até dizer que lá chove o ano todo.

Economia: A sua economia provem da agricultura familiar. Ali se planta: feijão, arroz, mandioca, café e frutas. A criação de gado é também muito importante na região. Mas uma grande metalúrgica denominada, Gerdau comanda a maior parte de todo aquele município. Onde que se planta o eucalipto para a carbonização do carvão vegetal. Ela planta, corta e cuida da sua lavora todo tempo. E é contratado milhares de pessoas. Chegou à região, recentemente, a maior mineradora do mundo, a Vale do Rio Doce, onde que irá contratar milhares de pessoas. E ali se colhe tanto o café, de maneira que, eles o exportam para Europa.

População: Em Natanael tem acerca de trezentas e cinquenta pessoas. Um pessoal alegre, hospitaleiro, e companheiro.

Religião:A região da Comunidade Natanael é Cristianismo, especialmente, evangélica. Noventa por cento, ou mais, daquele povo é assembleianos. O templo da igreja é um dos maiores templos do Campo de Janaúaba. E eu tive a honra de marcá-lo e construir a sua grande base.

O nosso primeiro ano ali, tínhamos batismos quase todos os meses.Fomos muito provados, mas em tudo, fomos mais do que vencedores.

(Período: 27/04/2003 a 17/08/2006: Tempo: três anos, quatro meses e vinte dias).

 

2.9.            MONTE AZUL

 

Ao vencer o nosso tempo em Natanael, fomos enviados para a cidade de Monte Azul, dia dezesseis de agosto de dois mil e seis, as vinte e uma horas e sete minutos (horário de Brasília).

Veja as informações dadas pela WIKIPÉDIA, à enciclopédia livre:

 

“Monte Azul é ummunicípiobrasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2006 era de 22.820 habitantes. O ponto mais alto do município é de 1820 metros, local: Serra Geral

A história de Monte Azul é fortemente marcada pela influência do Coronel Levi. A área do município já abrangeu outras pequenas cidades vizinhas, como Gameleiras e Mato Verde.

Em 4 de outubro de 1887, o município vem a ser fundado.

Historicamente, a agricultura da cidade se dava essencialmente pelo cultivo do algodão. Porém, com a praga dos "bicudos", essa prática tornou-se impossibilitada. Atualmente, a agropecuária é o setor forte da economia do campo. A carne bovina não tem um controle de qualidade 100%, porém os preços são bastante atraentes, considerados as médias nacionais.

Na cidade, o comércio teve um crescimento contundente nos últimos anos. Lojas de tecidos e confecções no varejo e no atacado. além de fábricas de roupas íntimas e de passeio tornaram Monte Azul um pólo regional no setor. Além disso, lojas de móveis, eletrodomésticos e eletrônicos em geral foram atraídas para a cidade.

O mercado consumidor monteazulense é atraente, considerados os demais da região. Contudo, os níveis de IDH e PIB per capita são baixos em relação às demais regiões de Minas Gerais e do Sudeste do Brasil”

 

(MONTE AZUL. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre)

 

   Mudamos de Monte Azul dia dezenove de dezembro de dois mil e sete, às vinte horas e vinte minutos (horário de Brasília).

    (Período: 16/08/2006 a 19/12/2007: Tempo: um ano, quatro meses e três dias).

         

 
Em um domingo ensolarado, por volta do meio dia, em vinte oito de janeiro de mil, novecentos e sessenta e oito, na caatinga, ou melhor, nos arredores do povoado de Oriom, Município de Capitão Enéias, Norte do Estado de Minas Gerais, Brasil; em um casebre que tinha uma grande árvore defronte, chamada pau-de-oleo; a senhora Cassimira Soares de Almeida Oliveira (minha mãe) que estava gestante há nove meses, inicia trabalho de parto.
Com a chegada da parteira, dona Geralda (que nós a chamávamos de mãe), dona Cassimira teve um parto muito feliz, graças a Deus. Ela dera a luz um menino. Como era um dia domingo, dera lhe o nome: João Domingos Soares de Oliveira.
Neste momento, o meu pai, o senhor: Guilhermino Gonçalves de Oliveira estava jogando futebol. Ele era um zagueiro amador, mas era um grande jogador, de maneira, que o seu time tinha medo de jogar sem ele.
A minha mãe teve nove filhos. A saber: Valdivino Soares de Oliveira, o primogênito; Maria do Carmo Soares de Oliveira, a segunda; Tereza de Jesus Soares de Oliveira, a terceira; Flores Belas Soares de Oliveira, a quarta; Maria Eva Soares de Oliveira, a quinta; Adão Soares de Oliveira, o sexto. Este viera a óbito, antes de completar um ano de idade. João Domingos Soares de Oliveira, o sétimo. Este sou eu. A minha mãe chamou-me de João, no intuito de chamar-me de Dão, para se lembrar do meu irmão que falecera. José Aparecido Soares de Oliveira, o oitavo; e Rosimeire Soares de Oliveira, a nona e a última.
Não me lembro, mas fiquei sabendo que éramos uma família muito católica. Em nossa casa era onde se celebrava as missas e as festas da igreja.
Sempre ocorriam algumas brigas entre o povo, mas nós já estávamos acostumados com isso.
 
Oriom é um povoado situado no Município de Capitão Enéias, Norte de Minas Gerais. Sua população é estimada em acerca de 1500 habitantes.
Capitão Enéas é um municípiobrasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2004 era de 13.822 habitantes.
 


CRIANÇA

01:24 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
Mas porque este título: O Sobrevivente em Terras Estranhas? Este título é devido a minha passagem neste mundo. Eu não nasci para ser deste mundo. Nunca me adaptei bem com as coisas daqui.
 
 
                     ORIOM PELA PRIMEIRA VEZ
 
 
Quando me entendi por gente já era evangélico, visto que, a minha mãe já tinha se convertido ao evangelho. Éramos oito filhos, mas eu era o único companheiro dela para ir aos cultos.
 Estes cultos não eram em templos, mas eram nas casas dos irmãos. Como estas casas eram longe uma das outras, assim também, eram os cultos.
Cada culto era uma grande aventura. Nós íamos a pé, era muito escuro, levávamos uma lamparina, ou melhor, uma candeia, mas o vento a apagava. Encontrávamos no caminho gado, cachorro louco, certo é, não se tratava de uma tarefa fácil cultuar a Deus naquele lugar, naquela época. Ao ouvirmos os uivos dos cães loucos (uuu, uuu, uuu) eu tremia na base. Mas Deus tem nos guardado. Quando chovia, era ainda mais difícil, molhávamos tudo, caiamos em poços d’água e a candeia não parava acesa.
Mas valia muito apena, os cultos eram muito bons.
Estávamos sempre na comunidade, Oriom, onde tem, até hoje, a estação ferroviária. Quando eu era ainda menor, ficava olhando a calçada da estação e ficava imaginando: “Como eles conseguiram trazer uma pedra deste tamanho para Ca?”.


EM BELO HORIZONTE

01:23 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
         
 
Maria do Carmo, a minha irmã, casou se com José Gonçalves dos Santos, conhecido por Zé Luiz. Homem bom e hospitaleiro. Ele era obreiro da igreja e trabalhava de Mestre de Obra. Eles mudaram para capital mineira, Belo Horizonte. Quando eu tinha entre seis a sete anos de idade, fui morar com eles. Ali eu ajudava nos trabalhos domésticos e ajudava a cuidar das crianças, os seus filhos, os meus sobrinhos.
Para mim que fiquei maravilhado com a calçada da estação ferroviária de Oriom, imagine como fiquei quando vi aqueles altos prédios pela primeira vez?
Então, pela primeira vez, pude-me cultuar a Deus sem tantos sofrimentos e um ambiente iluminado por luz elétrica. Lembro-me também que fomos ao templo central. E subimos para a galeria. Achei muito interessantes àquelas cadeiras, quando o pessoal se levantava elas fechavam sozinhas e faziam um barulho gostoso: tá, tá, tá, tá, tá...
Fiquei na capital acerca de um ano.


EM ORIOM PELA SEGUNDA VEZ

01:22 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
      
 
Retornado - me a minha terra natal, com cerca de oito anos de idade entrei-me na escola, pela primeira vez. Era sala única e uma só professora. Ali estudavam avôs, pais e filhos. Tinha alunos de sete aos setenta anos de idade. Era um barulhão!
Além das viagens aos cultos, eu teria que ir também, todos os dias, a escola. Eu andava uns cinco quilômetros a pé nesta viagem. Às vezes os meninos maiores batiam em mim.
Quando entrei na escola, eu já lia e escrevia muita coisa. Ali fiz o meu primeiro ano, do primeiro grau. Atualmente, se diz: ensino fundamental. 
Uma vez o trem chegou e estacionou na estação, inocentemente, fiquei brincando nele. Cansado de brincar, debrucei-me em uma espécie de lâmina que a máquina tem em sua frente. Quando o trem começou a sair senti-me uma boa sensação por ele levar-me lentamente. Mas quando os meus pés começaram a entrarem para baixo do trem, percebi que o caso era muito sério. Mas Deus me livrou e conseguir escapar por um triz.
 
 


VISÃO

01:20 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
         O que mais mim marcou nesta época foi uma visão que tive.
         A minha mãe pediu-me para pegar água na lagoa. Ela era perto tinha, tão somente, uns cem metros de distância da casa que morávamos.
Então peguei um balde, com capacidade de uns cinco litros. Fui à lagoa, na volta, no meu trajeto sentido norte ao sul, ouvir um ruído no céu, ruído o qual, não tenho como explicar na escrita. Parei, coloquei o balde com a água sobre o chão, olhei para cima, no sentido sudoeste e vi uma grande cruz branca, como que de nuvem, trafegando sentido sul ao leste. Ela era muito grande e perfeita. E quando ela passava é que eu ouvia o ruído.
Continuei olhando e passou uma figura como um grande galho de uma árvore. Igualmente, a cruz, ele era muito grande, branco e perfeito. E quando ele passou, eu ouvia o mesmo ruído que ouvir quando passou a cruz.
Continuei olhando, igualmente, passou de novo a cruz, e depois, passou novamente, o galho. Ambos com os mesmos ruídos. Tanto a cruz, como o galho, ambos passaram duas vezes.
Até hoje, eu não recebi o discernimento desta visão. Se por ventura, Deus confiar-te o discernimento entre em contato comigo. 


EM JANAÚBA PELA PRIMEIRA VEZ

01:19 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
   
Como eu estava sempre trabalhando fora estive em Janaúba por várias vezes.
 
 
 
          JANAÚBA
 
Segundo a WIKIPÉDIA, Janaúba é um municípiobrasileiro do estado de Minas Gerais. É considera um Centro sub-regionais B. Sua população em 2012 gira em torno de 66.803 pessoas. Tem como atividades principais a agricultura, pecuária e serviços (comércio). É a 2ª maior Cidade do Norte de Minas e a 52º de todo o estado. A área que mais se desenvolve é o Mercado de Trabalho e a Educação. A cidade acabou de ganhar um campus de uma Universidade Federal, a UFVJM. Segundo o Jornal Estado de Minas, Janaúba está entre os 20 melhores lugares para se viver no estado de Minas Gerais, ficando a frente de grandes cidades como Teófilo Otoni.
(JANAÚBA (MINAS GERAIS). In: WIKIPÉDIAAcesso em: 16 jun. 2012)
 
 


ORIGEM DA POPULAÇÃO NATURALIZADA

01:08 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
                                                                 População iniciada por um povo cafuzo ou caboré, descendentes de índios tapuias e quilombos. Onde já havia os referidos índios então chegaram os negros que fugindo do cativeiro em minas de minérios preciosos, se estabeleceram ali no Vale do Gorutuba
                                  Estes dois povos, muito diferentes, mas acabaram se unindo e os seus filhos foram dado em casamento. E os seus clãs foram conhecidos como os Gorutubanos.
                                     Atualmente, somente são chamadas de Gorutubanos as pessoas que descendem de moradores mais primitivos desta cidade.


DESENVOLVIMENTO

01:07 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
       Antigamente esta localidade girava, tão somente, em torno da estação ferroviária. Em 1933, a atual cidade, Janaúba era simplesmente um lugarejo com residências rurais, e se chamava Gorutuba. Estas casas eram de pau-a-pique e algumas construídas de adobe. E não eram organizadas em ruas. Elas não eram tão próximas uma das outras. Este lugarejo era pertencente ao município de Brejo das Almas, atualmente, Francisco Sá.


EMANCIPAÇÃO

01:06 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
Com a urbanização de Gorutuba, ocorrida não muito tempo depois, a localidade passou a se chamar Gameleira. E finalmente, com a chegada do trem, o Distrito de Gameleiras passou a chamar, Janaúba; nome dado pelo engenheiro da Central do Brasil, Demóstenes Rochert, conhecido por Doutor Rochert. Tornou-se município autônomo em 1948. No mesmo ano que foi emancipado, lá na Palestina, o Estado de Israel.
Cujo nome da primeira praça, a praça da primeira Igreja Católica, é em sua homenagem, a saber:
Doutor Rochert.


MINHA MUDANÇA

01:05 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link

 
 
Naquela época o Brasil iniciou exportar ferro e aço. Então as metalúrgicas e as siderúrgicas financiaram bilhões na produção do carvão vegetal. Consequentemente, iniciou o fim das nossas matas. Com isso o pessoal ganhava um bom dinheiro em Janaúba, Minas Gerais, trabalhando nas cargas de carvão. Assim todos nós mudamos para lá.
Meu pai contratou um caminhão, pequeno, onde fora colocado a nossa mudança, assim, nós nos despedimos dos nossos parentes e amigos, algumas pessoas choraram, como a minha mãe e as minhas irmãs e alguns dos que ficaram também choraram. Porque na verdade foi um importante desfalque para a região, visto que, mesmo que não ocorriam mais missas e nem festas para santos em casa, mas a minha mãe era uma das principais parteiras. E o time do meu pai, teve que aprender a jogar futebol sem ele.
Mas como eu era pequeno, não estava me preocupado com os choros de ninguém, para mim estava muito legal. Era uma grande aventura.
O meu pai e os meus irmãos mais velhos subiram na carroceria junto com a mudança. A minha mãe, eu, José Aparecido (apelidado por Tilim) e Rosemeire (apelidada por Rosa) (os meus irmãos mais novos) nós nos entramos na cabine. Estava um aperto! Um cheiro forte de gasolina enchia aquele ambiente e uma marreta e outras ferramentas que estavam no assoalho batiam em meu pé!
Então, o motorista ligou aquele caminhão, e entramos naquela estrada sem pavimentação e repleta de buracos. A viagem não era tão longe assim, mas viajamos quase o dia todo. Em fim chegamos a Janaúba.
Naquela época tudo era muito sofrido, Janaúba só tinha energia elétrica em algumas ruas do seu centro, e mesmo assim, eles a desligava dez horas da noite.
 Tinha a lenda de um monstro que assombrava o pessoal à noite. Não sou testemunha, mas um vizinho disse que o viu e ficou muito horrorizado. Uma vez meu pai e a minha mãe ouviram os cachorros latindo e estavam muitos bravos, pela madrugada, então eles abriram, um pouco, a janela, e presenciaram na rua, em noite de lua, um bicho peludo, grande e muito feio atacando os cachorros.


RIO GORUTUBA

01:02 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
Mas naquela época o rio Gorutuba era muito lindo... Parecia um paraíso. Onde que as suas margens atingiam até meio quilômetro, em alguns lugares. As suas areias eram bem alvas, com aquelas águas cristalinas correndo em seu meio. Agente poderia ver os peixes e as pedras lá no fundo.
Este rio era uma festa. O movimento da cidade, naquela época, girava em torno dele. As mulheres lavavam louças, e roupas o dia todo. Quase todo mundo tomava banho no rio. Foi neste lindo cenário que prendi a nadar.
 De vez em quando agente pisava nuns bagrezinhos, que agente os chamava de xuxuêta, estrepávamos os pés e eles viam grudados; mas era uma dor!
 E quanto ao maior movimento da cidade, consistia na maior derrota daquela beleza natural. Vinha caminhões de muitas partes do Brasil para levar embora aquelas alvas e lindas areias. E o carregamento destes caminhões era vinte quatro horas por dia.
Uma grande turma ganhava dinheiro carregando estes caminhões; os adolescentes e as crianças ganhavam dinheiro lavando os carros.
Ali passavam grandes boiadas atravessando o rio, e era uma especial atração, a parte.
Não havia ainda a barragem do Bico da Pedra. Todos os anos o rio enchia e ficava cheio por vários dias. O pessoal nadava nele e o atravessava. Morria gente afogado, porque ficava muito fundo.
 Com acerca de nove anos de idade iniciei estudar em minha nova habitação. Mas devido o trabalho infantil, quase não estudei. Eu deixava a cidade e ia trabalhar nas fazendas. E trabalhei: colhendo algodão, capinando, roçando e cuidando de animais.


BARRAGEM BICO DA PEDRA

01:02 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
    
 
Quando eu tinha dez anos, a barragem foi concluída. A Barragem Bico da Pedra é formada pelo represamento das águas do rio Gorutuba. E foi construída e concluída em 1978. Localizada a 6 km de Janaúba, com volume de setecentos e cinquenta milhões de metros cúbicos (750.000.000 m³) de água que são utilizadas para exploração e irrigação de áreas do Projeto Gorutuba com acerca de 5.500 hectares, abastecimento de água para a cidade, lazer, irrigação e para lavadeiras, que o utilizam como fonte de sustento. É a maior do gênero no Norte de Minas
O projeto de irrigação janaubense é o terceiro maior do Brasil.


AVENTURA PERIGOSA

01:00 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
Um dos meus cunhados tinha comprado um sítio próximo a grande represa.
Certo dia eu e um dos meus primos fomos para o referido sítio. Se estivéssemos ido pela a estrada correta teríamos que andar mais quinze quilômetros a pé. (Se fosse aos dias das políticas, com certeza, acharíamos carona. Mas como não era!).
E para amenizar a distância, teríamos e cortar a volta. Mas para isto tínhamos que atravessar o sangrador da barragem. Como é comum um sangrador ser bem íngreme, e, além disto, ele estava úmido e com muito lodo. Estava muito escorregadio. E embaixo, tinha um poço muito profundo e cheio de piranhas que eram tão bravas, de maneira que, agente via elas a comerem uma as outras. O sangrador tem uns cinco metros de largura.
O meu primo como estava calçado com quichutes (Isto era um tipo de tênis de cor preta com cravos como chuteiras que havia antigamente), passou com certa tranquilidade.
Mas como eu estava calçado com chinelos, foi muito complicado. E ainda fui obrigado a tirá-los, para evitar arrebentar as suas correias. Como não havia jeito, entrei-me no sangrador e comecei a andar. Cada passo que eu dava os meus pés se escorregava. E o meu primo, que já tinha se atravessado, dizia: “Não cai, você não pode cair!”. E eu todo suado e trêmulo ia andando e descendo. Quando eu estava quase caindo no poço, conseguir assegurar na mureta; assim, o meu primo segurou em minha mão e me tirou.


EM MONTES CLAROS

12:58 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
Após uns dois anos, eu fui para a cidade de Montes Claros. A minha irmã que residia em Belo Horizonte, passou a residir em Montes Claros e levou-me para lá.
O meu trabalho era em hortas. Eu tinha que andar a pé dezesseis quilômetros diariamente para trabalhar, oito quilômetros para ir e oito para vir.
Em Montes Claros estudei um pouco.
 

Segundo a WIKIPÉDIA, Montes Claros é um municípiobrasileiro no interior do estado de Minas Gerais. Pertence à microrregião homônima e Mesorregião do Norte de Minas, localizando-se a norte da capital do estado, distando desta cerca de 422 km. Ocupa uma área de 3 582,034 km², sendo que 38,7000  km² estão em perímetro urbano e os 3543,334  km² restantes constituem a zona rural. Em 2010 sua população foi contada pelo IBGE em 361 971 habitantes, sendo então o sexto mais populoso de Minas Gerais e o 62º de todo o país.
 
(MONTES CLAROS. In: WIKIPÉDIA, , 2012. Acesso em: 16 jun. 2012.)
 

 


EM JANAÚBA PELA SEGUNDA VEZ

12:57 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
     
Retornando-me para Janaúba a minha luta continuava, trabalhando nas fazendas. Trabalhei para:
a)       O Dr. Edison Brandão (Em Nova Porteirinha);
b)       Joaquim Maurício (Em Angiquinho),
c)       Eugênio (No Bom Jardim),
d)      Yuge Yamada
e)      E outros.
 


ADOLESCÊNCIA

12:55 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
                            Eu continuava trabalhando como boia fria. Sempre ajudei a minha família com dinheiro que eu ganhava.
                         Quando fui trabalhar no Bom Jardim, eu tinha uns onze anos. Quando cheguei de lá, eu já tinha quase treze. Na minha partida morávamos em uma casa, na minha chegada a minha família já morava em outra casa. Os meus pais não sabiam para onde eu tinha ido, com a minha demora eles denunciaram o meu desaparecimento. Mas quando cheguei procurei minha família a encontrei. E foi uma festa. Ganhei mil cruzeiros
                        Mas devido estas minhas viagens, eu quase não frequentava aos cultos, consequentemente, a minha vida espiritual estava de mal a pior.
                          Lembro-me que na Fazenda Anjiquinho, onde que eu trabalhava cercado de más companhias, quando em uma oração eu disse a Deus que não mais suportava. Naquele momento triste distanciei do caminho do Senhor.
                             A primeira bebida alcoólica que experimentei foi cortezano. Aprendi a fumar e etc.


JUVENTUDE

12:54 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
A minha juventude foi terrível. Sempre trabalhei. Mas isto não me impedia de usar drogas e fazer coisas erradas.
Eu praticava o Karatê. Eu treinava uma turma de desocupados todos os dias na praia do rio.


SERVIÇOS EM JANAÚABA

12:53 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
 
 
 
O meu primeiro emprego, de carteira assinada, foi na Pavisan. Uma construtora de pavimentação. Isto foi em mil, novecentos e oitenta e seis, quando foi construído o asfalto entre Janaúba e Porteirinha.
A minha função ali era ligar um motor com uma bomba hidráulica para abastecer os caminhões pipas de água. Mas quando chovia, eu ficava de guarda, vigiando, o respectivo, motor bomba.
Nas margens daquele rio, o Rio Mosquito, pelas madrugadas, os corujões de orelha começam a cantar. Mas as suas melodias são muito assustadoras: “Hoonn, hoonn, hoonn, hoonn...” Aquilo me dava vontade de correr!
Certa feita eu fiquei, de guarda, em um lugar muito feio. As árvores eram muito altas. E uns trinta metros de distância havia uma casa grande, de adobe, sem reboco, com o telhado todo quebrado, e as suas portas e as suas janelas ficavam batendo e ringindo: “craaa, craaa, craaa, báaaah, craaa, craaa, craaa, báaaah, craaa, craaa, craaa, báaaah...”. Isto era porque ventava muito.
Mas na verdade fiquei sabendo que os seus moradores, como por exemplo: o homem e a mulher, já tinham falecido há muitos anos.
Eu não sabia se olhava o motor bomba, ou ficava olhando para a casa.
Assentado no barranco, com o meu radinho de pilha ligado baixo, jantei a minha janta fria. Então, desci do barranco para beber água no rio, e estava muito escuro. E fui andando em uma estrada estreita beirando o rio e lá na frente vi algo branco, tipo uma pessoa, que vinha ao meu encontro. Tive medo, mas depois me encorajei. E pensei: “Não estou só aqui”. Fui andando, e aquele vulto branco, só ia se aproximando. Faltando uns dois metros para nós nos encontrarmos, parei-me, e o vulto continuou vindo. Quando percebi que ele não estava me vendo, então o cumprimentei: “Ola!” Mas aquilo era um cavalo que muito se assustou com a minha voz.
Então ele virou bruscamente, bateu a sua traseira em mim, e saiu correndo disparado como louco quebrando pau e cerca. De igual modo, eu sair correndo para trás, nem peguei a minha bolsa, nem me lembrei do rádio ligado, e fui parar lá na pista, oito quilômetros de distância. Corri sem parar e sem cansar. Só voltei quando o dia amanheceu para pegar as minhas coisas. E as pilhas do rádio tinham se esgotados.


SERVIÇOS NO PARANÁ

12:51 PM, 15/6/2013 .. 0 comentários .. Link
Trabalhei no Estado do Paraná, em uma linha de transmissão de seiscentos e cinquenta mil KV. A mesma se inicia na usina hidrelétrica de Itaipu e termina em Ribeirão Preto - SP. Morei lá em duas cidades, a saber: Ubiratã, Luisiana.
Eu trabalhava na equipe do para raio, tínhamos que subir de quarenta e cinco a cinquenta metros. Mas quando vi aquelas torres altíssimas, pela primeira vez, logo eu disse para o meu chefe: “Não me peça para subir nestas torres. Pelo amor de Deus”! Ele me respondeu: “Não se preocupe”. Mas em poucos dias acostumei com as suas alturas, e passei a trabalhar em cima das torres.
As torres eram tão altas, de maneira, que de lá de cima, tínhamos a sensação de que o carro que andávamos, (um caminhão três quarto), era como uma caixa de fósforos. E o pessoal, como formigas.
Era muito perigoso. Naquela época não havia quase segurança e morria muita gente. 
Além de tudo isto, agente ainda ia trabalhar com ressaca, levávamos maconha para fumar em cima das torres.
Uma vez eu quase cair de cima de uma torre. Era a última torre do dia e devido à pressa para ir embora, estava muito frio, então fui descer rápido, os meus pés se escorregaram e não sei como conseguir me assegurar. Não haveria lógica humana para isto. Mas Deus me socorreu.
As torres se distanciavam uma da outra, uns cem metros. Os cabos de para-raios da linha de transmissão eram arrastados por um grande trator. Certo dia o cabo da direita prendeu, em um toco de árvore, e eu com falta de experiência, fui desprendê-lo e não percebe que o cabo da esquerda também tinha se prendido em poste de cerca. Quando fui tentar desprendê-lo, o cabo da direita se soltou do poste de cerca, bateu em minha cabeça, cortou o meu capacete e em seguida ele bateu em uma forte madeira e a lascou pelo meio.
Preste bem atenção: Se o cabo amorteceu a sua velocidade em minha cabeça e em seguida ele bate em uma forte madeira, de maneira que ela se lascou. Isto não era para me decapitar? Mas mesmo na minha desobediência, Deus estava comigo, devido o projeto dEle em minha vida.
No estado do Paraná eu e um colega fazíamos apresentações de arte marciais.
Do Paraná fomos conhecer o Paraguai.


{ Última Página } { Página 1 de 2 } { Próxima Página }

Sobre Mim

Home
Perfil
Arquivos
Amigos
Álbum de Fotos

Links


Categorias


Últimos Posts

PAGAMENTO
BIOGRAFIA
FORMAÇÕES
LEITURAS BÍBLICAS
LIVROS ESCRITOS
MINISTÉRIO, CONSAGRAÇÕES E IGREJAS PASTOREADAS
NATALIDADE
CRIANÇA
EM BELO HORIZONTE
EM ORIOM PELA SEGUNDA VEZ
VISÃO
EM JANAÚBA PELA PRIMEIRA VEZ
ORIGEM DA POPULAÇÃO NATURALIZADA
DESENVOLVIMENTO
EMANCIPAÇÃO
MINHA MUDANÇA
RIO GORUTUBA
BARRAGEM BICO DA PEDRA
AVENTURA PERIGOSA
EM MONTES CLAROS
EM JANAÚBA PELA SEGUNDA VEZ
ADOLESCÊNCIA
JUVENTUDE
SERVIÇOS EM JANAÚABA
SERVIÇOS NO PARANÁ

Amigos