Tudo Sobre Marketing de Rede e Vendas Diretas

Crise Estimula Venda de Cosméticos no Ramo de Vendas Diretas e Marketing Multinivel no Brasil

  • 7/8/2017
  • 04:24 PM

Crises financeiras são as épocas mais lucrativas para a indústria de beleza. A crise estimula a venda de cosméticos – produtos mais baratos e ótima margem de lucro. O fenômeno, conhecido como “Índice Batom”, foi percebido por Leonard Lauder, presidente da tradicional marca de cosméticos norte-americana Estée Lauder, após notar aumento nas vendas em 2001, com os Estados Unidos devastados pela queda das Torres Gêmeas e com baixa atividade econômica.

No Brasil, a percepção também faz sentido. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal e Perfumaria (Abihpec), no ano de 2015, quando a economia do país cresceu 7,5%, o setor faturou R$ 29,9 bilhões. Já com a previsão para crescimento do PIB de 2016 em 0,15%, a expectativa de ganhos no segmento é de R$ 42,6 bilhões. Ou seja, 42% a mais.

“A gente quer sempre melhorar a aparência. Mesmo sem dinheiro compra um batom, um creme…”, Rosane Maria Pereira da Silva, cabeleireira (Foto:  Paulo Araújo / Agência O Dia)

A justificativa é que em momentos de dificuldade financeira, as mulheres dariam preferência a produtos mais baratos. Entre eles, batons que são encontrados na faixa de R$ 25, em vez de bolsas e sapatos, cujo valor passa dos R$ 100, por exemplo. Além disso, os cosméticos teriam a função de melhorar a autoestima e ajudar na busca por empregos, no caso de o país estar em recessão.

Economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fabio Bentes conta que o setor de cosméticos foi o que mais cresceu no Brasil nos últimos anos. Porém, segundo ele, o país ainda não vive uma crise econômica. “No comércio as vendas não estão caindo, só estão crescendo menos. Também não há desemprego, por isso não podemos dizer que estamos em recessão. Nesse sentido, o aumento no consumo de artigos de beleza é estimulado pelo aumento de renda da população”, explica.

Porém, o economista acredita que este ano será mais difícil que 2016. A tendência é que o orçamento familiar seja prejudicado pelo aumento na tarifa de energia elétrica e reajustes no combustível, entre outros.
“Nos últimos anos, o brasileiro passou a gastar mais com bens duráveis, como eletrodomésticos e automóveis. Ocorre que estamos em um ano particularmente difícil, porque o crédito está muito caro. O consumidor olha para o valor da prestação e vê que não vai caber no orçamento”, avalia.

Assim, o “Índice Batom” pode se tornar realidade. A cabeleireira Rosane Maria Pereira da Silva, 41 anos, por exemplo, evita comprar roupas, principalmente se tiver que parcelar, mas não abre mão da maquiagem. “Sempre uso batom, lápis. Tenho que me cuidar”, brinca.

Já a gerente de TI Renata Andrade, 37, diz que cosmético é questão de necessidade. “Bolsa e sapato são supérfluos, mas não dá para ficar sem lavar o cabelo, sem fazer a unha. Rímel também é fundamental para tirar a cara de sono no trabalho”, conta.

Homens são o novo público alvo do setor de beleza

Em busca de novos mercados, o segmento de cosméticos começou a investir no aumento de renda da classe C. Assim, conseguiu ganhar novos consumidores. Agora, segundo o economista Fabio Bentes, é a vez dos homens serem fisgados pelo setor.

“Esgotou-se a capacidade que a classe C tinha de consumir mais e é natural que o mercado busque novos compradores. O potencial de consumo agora é o público masculino, que está adquirindo cada vez mais cosméticos”, avalia o especialista.

Para Daniel Silveira, diretor regional da Natura, os produtos voltados para os homens ganham destaque na marca. “Eles estão cada vez mais vaidosos, temos pesquisas que indicam isso e os produtos têm ganhado espaço dentro do mix da empresa”, explica.

O foco, porém, continua sendo as mulheres. Rosana Marques, diretora de Comunicação da Avon Brasil, afirma que o ano passado foi interessante para a gigante norte-americana. “Se a mulher está desempregada, compra um esmalte e faz a unha em casa. Elas deixam de financiar carro novo, eletrodoméstico, porque já estão endividadas, mas aderem às pequenas indulgências”, diz.

No Brasil, boa parte do consumo de produtos de beleza é feita por meio de revendedoras. Segundo Roberta Kuruzu, diretora-executiva da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (Abevd), mesmo com as dificuldades de 2016 houve crescimento no setor. O setor de marketing multinivel no brasil tem crescido bastante também nesses ramos de estética, beleza e bem estar.

“O ano foi difícil, a gente vê que o momento é de crise, mas não dá para negar que as pessoas deixam de comprar bens duráveis e compram cosméticos. Grandes empresas vieram para o Brasil e o setor tem se fortalecido”, conclui.


Comentários deixe um comentário