textoselivrossp

rua 66 terror e6 de paulo fog e ione az

  • 9/6/2017
  • 03:06 PM

   As investigações vão avançando porém fica mais claro a não participação de Helana, as digitais colhidas são todas de Afonso, a arma que perfurou o corpo dele não fora encontrada.
  Ainda assim Helana é chamada mais duas vezes para prestar declarações sempre contando a mesma versão.
  - Posso ir agora?
  - Sim.
  - Obrigado.
  - Olhe não saia da cidade sem nos avisar.
  - Sim dr, também para onde eu iria?
  - Esta liberada.
  - Tchau.  Ela sai deixando o delegado a roçar os dedos na barba que insiste brotar na pele clara.
  - É dr, pelo jeito não foi ela mesmo.
  - O problema é a mídia, foi feita reportagem, vão querer um culpado.
  - Então o dr pensa em prende-la?
  - Não, somente se for comprovado a sua participação.
  Helana termina de limpar a casa de Sofia que brinca com o bebê Davi no quarto, vai para a cozinha e inicia a janta.
  Momentos após sai até o quintal onde recolhe alguns lençóis e roupinhas de Davi que ficara para secar.
  - Nossa quase que me esqueço destas roupas.
  Termina de recolher e olha para a árvore, uma raiva toma conta de seu corpo, deixa as roupas na mesa da área de serviço indo até a cozinha onde pega uma faca e volta para a árvore, começa a picar em ponta o caule do abacateiro, dá diversos golpes até cansar-se, olha para a árvore e começa a chorar.
  Sente uma onda de frio percorrer o seu corpo e quando olha novamente para onde dera os golpes nada, o caule esta perfeito somente um furo, deste começa a sair sangue, com a faca na mão seus braços ficam trêmulos e ela perde o controle destes e começam a mover o corte dafaca em direção de sua mão, um corte é feito e ela grita.
  Sofia corre para o quintal encontrando Helana caída, olhos estatalados em puro pavor, Sofia olha para as mãos dela, sangue, grita, liga para seu pai, Osvaldo chega neste instante.
  - O que houve?
  - Ouvi um grito, corri para cá, Helana estava caída e...
   Nisso Sofia sente cheiro de Queimado, Osvaldo também, Helana ali em em choque não manifesta qualquer reação.
  - Amor, tem algo no fogão?
  - Não sei, corre lá.   Osvaldo vai a cozinha, a panela esta em fogo labareda alta, com auxilio de uma vassoura joga a panela para fora, parte da cortina esta em chamas, Jurandir entra neste instante e logo tudo fora controlado, fogo extinto.
  Cerca de 10 minutos depois, Helana volta a si, pede mil desculpas pelo acontecido, Jurandir esta no preparo da refeição, Sofia ampara a empregada, terminando de fazer o curativo no dedo dela que teve um leve corte.
  - Amanhã não precisa vir, vá no posto de saúde, veja este ferimento.
  - Por favor D Sofia, me desculpe.
  - Sim Helana, fique tranquila não é fácil o que esta passando.
  Osvaldo chega a elas ja tomado banho, Jurandir diz que o jantar estará pronto logo.
  Helana se despede saindo, Osvaldo olha para Sofia.
  - Acho que teremos de procurar uma nova empregada?
  - Sim, mais vamos dar outra chance a ela, gosto dela.
  - Como quiser, amor.  Jurandir diz que ja esta pronto a janta.
  Arroz, feijão, fígado frito, batatas cozidas com tomates.
  Enquanto o casal faz a alimentação, Jurandir brinca com Davi no sofá da sala, logo o casal vem a eles.
  A noite segue normal com eles.
  - Bem filha, amanhã eu virei bem cedo se não acharem errado, vou eu mesmo terminar de cortar o abacateiro.
  - Não pai, resolvi, vou deixa-lo, colocarei algumas flores ao redor dele.
  - Tem certeza?
  - Sim.

   07/06/2017 --------------------------


Comentários deixe um comentário


Página Anterior | Página 45 de 57 | Próxima Página